Topo

PF tenta retirar exclusividade de entrevistas de Lula, mas STF veta

Pedro Ladeira/Folhapress
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

25/04/2019 13h32Atualizada em 25/04/2019 17h17

Resumo da notícia

  • STF havia autorizado entrevistas com Lula a profissionais da Folha de S.Paulo e do El País
  • PF liberou a entrada de jornalistas de outros veículos para acompanhar as entrevistas aos dois veículos
  • Assessoria de Lula contesta a decisão da PF
  • Defesa do ex-presidente recorreu ao STF contra a decisão da PF

A PF (Polícia Federal) autorizou a entrada de jornalistas de outros meios para acompanhar entrevistas que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) planeja conceder amanhã com exclusividade aos jornais Folha de S.Paulo e El País.

Horas mais tarde, atendendo a um pedido da defesa de Lula, que defendeu o direito de "decidir para quem deseja conceder entrevista", o Supremo Tribunal Federal (STF) afirmou que a liberação da entrevista restringia-se "exclusivamente aos profissionais da imprensa supra mencionados".

Folha e El Pais haviam solicitado as entrevistas à Justiça Federal do Paraná, que negou os pedidos, feitos no ano passado. O STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou os encontros este mês.

A defesa quer que apenas os advogados e os jornalistas que solicitaram a entrevista estejam presentes no encontro com Lula nesta sexta.

A Superintendência da PF no Paraná havia anunciado que a entrevista seria acompanhada por uma "plateia de jornalistas convidados por ela própria para assistir a entrevista, sem direito de fazer perguntas".

No documento em que abre a entrevista a outros veículos, o superintendente da PF no Paraná, delegado Luciano Flores de Lima, disse que a presença de outros jornalistas estaria autorizada "dentro de um limite em que a sala disponível para tais entrevistas suportar".

Para a defesa de Lula, a decisão da PF desrespeitou o Supremo e que o ex-presidente tem o direito de "decidir se concederá entrevista e a quem concederá entrevista".

Os advogados também pontuam que "não é praxe no jornalismo uma entrevista ser acompanhada por outros veículos de imprensa que não o dos entrevistadores".

A PF, no documento assinado por Lima, indicou que a decisão cumpria "os direitos constitucionais relativos ao livre exercício da profissão, liberdade da imprensa e do pensamento, assim como o da publicidade dos atos administrativos que não estiverem sob necessidade de sigilo".

Mitre: Lula pode sair e logo depois voltar para a prisão

Band Notí­cias

Mais Política