Topo

Assediado por partidos, juiz que anulou júri do Carandiru quer ser prefeito

Ivan Ricardo Garisio Sartori, desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo - 03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL
Ivan Ricardo Garisio Sartori, desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo
Imagem: 03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

11/05/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Ivan Sartori foi juiz por 38 anos em SP e foi responsável por anular a condenação de 74 policiais no caso conhecido como "massacre do Carandiru"
  • Aposentado, desembargador agora se tornou alvo de partidos políticos, elogia Bolsonaro e Doria e estuda se candidatar a prefeito de Santos (SP)

"Tive vários casos marcantes. Um deles, que me trouxe críticas e elogios, foi o do Carandiru, o mais marcante, sem dúvida." A afirmação é do desembargador Ivan Ricardo Garisio Sartori, 62, ao receber o UOL em sua cobertura, no canal 7, em Santos, cidade do litoral paulista da qual pretende ser prefeito a partir de 2021.

Com 38 anos de carreira como juiz do Tribunal de Justiça de São Paulo, sendo presidente do local entre 2012 e 2013, Sartori se aposentou no último dia 11 de março. Agora, é professor de Direito Civil em uma universidade de Santos.

Recebeu convites de PSD, PSL, Patriotas e Podemos para se candidatar a prefeito da cidade na eleição do ano que vem.

03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL
Imagem: 03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL
"O mais certo é o PSD. Não sei se vou me candidatar ainda, é um estudo que a gente está fazendo. No início, tinha uma certa repulsa, não queria ser prefeito, nada disso, não queria me candidatar. Agora, a ideia começou a ficar mais clara", diz Sartori, que já conta com assessor de imprensa e equipe de marketing.

O PSD tem como presidente nacional o ex-ministro Gilberto Kassab. Nomeado pelo governador João Doria (PSDB) como secretário da Casa Civil, ele pediu afastamento para defender-se de acusações de corrupção política, nepotismo e tráfico de influência e "comprovar a lisura de seus atos". "Eu conheço o Kassab. Tem feito um trabalho nesse partido para poder trazer essa candidatura", afirma Sartori.

"Massacre foi uma invenção da imprensa"

Em 27 de setembro de 2016, o Tribunal de Justiça de São Paulo anulou os julgamentos que condenaram 74 policiais militares pelas 111 mortes de presidiários que ocorreram no Complexo do Carandiru, zona norte de São Paulo, em 2 de outubro de 1992. O caso ficou conhecido nacionalmente e internacionalmente como Massacre do Carandiru. O relator do caso era Sartori, que queria, não só a anulação, como a absolvição dos PMs.

A nomenclatura massacre [sobre o Carandiru] não é válida. Absolutamente. Isso não é um massacre. O que houve foi um levante, uma rebelião que foi contida. Isso é uma invenção da imprensa, um fake, uma falácia. Órgãos internacionais não viram minha decisão, não leram meu processo, não me chamaram para explicar. Esses órgãos simplesmente foram cercados de gente da esquerda"
Ivan Sartori

Em 27 de novembro de 2018, a Justiça manteve a anulação do júri e estabeleceu a remarcação de um novo julgamento, ainda sem data marcada. O UOL revelou que, dos 74 policiais que haviam sido condenados pelo caso, 58 foram promovidos. Um deles chegou a ser comandante-geral da Polícia Militar, em 2017, ano com maior letalidade policial desde que os dados passaram a ser contabilizados em São Paulo. Atualmente, esse policial é secretário da Administração Penitenciária.

03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL
Imagem: 03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL

"Só os policiais que disseram que atiraram foram processados. Os policiais que nada disseram não foram processados. Não houve balística, não se examinou quem atirou em quem. Um policial com apenas um tiro foi condenado a 70 anos. Os promotores tocaram a toque de caixa, de qualquer jeito, para tentar dar uma satisfação para os politicamente corretos, esse pessoal da esquerda", afirma o desembargador.

Confronto necessário porque, sem ele, a rebelião se expandiria para os outros pavilhões, haveria consequências. Foi uma operação necessária. Os policiais agiram no estrito cumprimento do dever"
Ivan Sartori

"Os policiais fizeram o que podiam. Não havia condições de fazer outra coisa. Do lado de lá, havia armas, sim, inclusive armas de fogo, armas brancas, seringa com sangue, água, óleo dentro do presídio. Os presos que quiseram se render, se renderam e não houve qualquer consequência", afirma. Nenhum policial ficou ferido durante a ação.

Acho que promovi Justiça. Estou tranquilo com a minha consciência. Aliás, não me lembro de ficar perturbado com alguma decisão minha"
Ivan Sartori

Membros do MP (Ministério Público) e da Polícia Civil paulista, além de especialistas, apontam que o que aconteceu no Carandiru foi um dos principais fatores para a formação do PCC (Primeiro Comando da Capital). Oficialmente, a facção foi criada em 31 de agosto de 1993, em Taubaté (SP), para que houvesse "respeito" dentro dos presídios.

Sartori não concorda. "Mentira. O PCC já vinha de muitos anos. O PCC vem de muitos e muitos anos. Não tem nada a ver com o Massacre do Carandiru. Inclusive, foi, até, alimentado de certa forma pelo governo, que se tornou leniente e omisso, em sucessivos governos."

Acenos a Bolsonaro, Doria e Witzel

Ao se dizer espelhado na atuação de Franco Montoro, ex-jurista e ex-governador de São Paulo, Sartori diz admirar "a vontade" do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), do governador de São Paulo, João Doria, e do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

Eu estou muito esperançoso, eu acho que houve uma renovação. Da forma como estava era complicado. Tivemos a Lava Jato, vimos uma série de problemas nas gestões passadas"
Ivan Sartori

03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL
Imagem: 03.mai.2019 - Marcelo Justo/UOL

Sobre Bolsonaro, Sartori afirma que ele "está muito bem intencionado". "Bolsonaro se cercou de técnicos. Acho que a política no Brasil está no caminho certo. Lógico que todo governante tem os seus problemas. Ele vai tendo mais experiência na Presidência. Ele chegou um pouco inexperiente. Honestidade e vontade, além de caminhos para ser um bom presidente, ele dispõe."

Já sobre Doria e Witzel, Sartori aponta que caminham para ser bons governadores, "com critérios e ao lado das pessoas de bem".

"Aprovo as medidas do Witzel. Tem que ser rigoroso. O Rio está perdido para as organizações criminosas. E acredito que o Doria também tem procurado acertar".

Política