Topo

Bolsonaro diz que só falta "ouvir o Queiroz" em investigações sobre Flávio

Flávio Bolsonaro e assessor Fabrício Queiroz - Reprodução
Flávio Bolsonaro e assessor Fabrício Queiroz Imagem: Reprodução

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

22/07/2019 14h56

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que está "sobrando apenas ouvir o Queiroz" para esclarecer as investigações sobre as movimentações financeiras do filho Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), atual senador. Fabrício Queiroz é ex-assessor de Flávio e investigado por ser o pivô de um esquema de lavagem de dinheiro, quando o filho de Jair Bolsonaro era deputado estadual no Rio.

"Tá sobrando apenas ouvir o Queiroz", disse Bolsonaro, após dar explicações sobre suspeitas sobre movimentações de Flávio.

A declaração foi dada após ser questionado por jornalistas sobre diálogos revelados ontem pelo site The Intercept Brasil em que o procurador da Lava Jato, Deltan Dalagnol, afirmou que "certamente" o senador Flávio Bolsonaro está implicado no caso envolvendo o ex-assessor parlamentar.

Na semana passada, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, acatou pedido da defesa de Flávio e suspendeu inquéritos, PICs (procedimentos de investigação criminal) e ações penais que utilizem informações de inteligência financeira --obtidas de órgãos como Receita Federal, Banco Central e o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão subordinado ao Ministério da Economia-- sem prévia supervisão e autorização judicial.

Em seguida, Bolsonaro reafirmou a tese exposta pelo filho que os depósitos de R$ 2 mil, feitos na boca do caixa aconteceram porque este é o limite para se fazer depósito. "Esses depósito feitos por envelope são o limite. O limite é de R$ 2 mil. Eu não sei quantos... talvez alguns milhões de depósitos são feitos por semana nesse sentido", disse em referência ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O terceiro ponto defendido por Bolsonaro foi em relação às negociações de imóveis do filho. "Alguns imóveis ele comprou na planta e estava pagando mensalidade e um tempo depois vendeu. O MP estadual do Rio de Janeiro levou em conta que o valor total do preço estimado do imóvel. Não é verdade... Tá sobrando apenas ouvir o Queiroz", disse. Bolsonaro fez a defesa do filho, mas não comentou os diálogos de Deltan.

Caso Queiroz

O ex-assessor parlamentar reconheceu ter recolhido parte dos salários dos servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio.

Queiroz disse que o dinheiro era para contratar assessores informais e ampliar a base de atuação de Flávio. Já o MPE (Ministério Público Estadual) no Rio apura se havia "rachadinha", esquema ilegal em que servidores passam parte do salário ao deputado que os contratou.

Decisão do STF atende pedido de Flávio Bolsonaro e suspende processos

Band Notí­cias

Mais Governo Bolsonaro