Topo

Conta irregular e omissão de autoridades: os negócios de Messer no Paraguai

Dario Messer, o "doleiro dos doleiros" - Reprodução/Facebook
Dario Messer, o "doleiro dos doleiros" Imagem: Reprodução/Facebook

Constança Rezende e Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Brasília e Curitiba

31/08/2019 04h00Atualizada em 31/08/2019 07h41

Resumo da notícia

  • Dario Messer, o "doleiro dos doleiros", é acusado de liderar um esquema de lavagem de dinheiro de R$ 6 bilhões no Brasil
  • Com bens avaliados em R$ 1,5 bilhão no Paraguai, o doleiro conseguiu abrir uma conta em uma instituição financeira estatal, mesmo sem ser cidadão
  • Há uma investigação sobre a Secretaria de Prevenção a Lavagem de Dinheiro do Paraguai por possível cumplicidade de autoridades do órgão com Messer

Dario Messer está preso e sendo acusado de liderar uma esquema de lavagem de cerca de R$ 6 bilhões no Brasil. É no Paraguai, entretanto, que o "doleiro dos doleiros" mantém bens avaliados em aproximadamente R$ 1,5 bilhão.

É lá também que ele realizou inúmeras operações financeiras, as quais estão hoje sob investigação do MP (Ministério Público) local. Messer teve sua prisão decretada no Paraguai em maio de 2018.

Isso aconteceu dias depois de a Justiça brasileira também determinar sua prisão preventiva por aqui. No Brasil, Messer foi investigado na operação Câmbio, Desligo, uma das fases da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Já no Paraguai, além da investigação no MP local, ele foi alvo de uma CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), que reuniu deputados e senadores em busca de informações sobre suspeitas envolvendo o doleiro brasileiro.

O relatório final desta CPMI foi divulgado em abril. Uma das principais conclusões da investigação é que Messer contou com a colaboração de diferentes autoridades e funcionários públicos do Paraguai para movimentar recursos usando bancos do país.

A defesa de Messer no Brasil alega que ele é inocente. No Paraguai, a advogada que defende Messer não respondeu aos contatos do UOL.

Abriu conta sem apresentar identidade

De acordo com a investigação da CPMI, em 2011, Messer conseguiu abrir uma conta no BNF (Banco Nacional de Fomento) do Paraguai, instituição financeira estatal, mesmo sem cumprir os requisitos para isso.

Na época, o doleiro não era cidadão paraguaio, não apresentou sua identidade e mesmo assim virou cliente do banco administrado pelo governo.

Naquele ano, Messer já respondia a pelo menos dois processos por lavagem de dinheiro e evasão de divisas no Brasil. Apesar disso, contrariando a normas bancárias paraguaias, o BNF não emitiu um alerta de operações suspeitas ligadas ao brasileiro.

No BNF, contas do doleiro enviaram e receberam cerca de US$ 40 milhões (R$ 160 milhões). As transações envolveram uma empresa aberta nas Ilhas Virgens Britânicas, local que é considerado um paraíso fiscal.

Transferências foram feitas o Brasil, Suíça, Luxemburgo, EUA e Alemanha. "Apesar de Messer ser um cliente e alto risco, pôde operar usado o BNF para diversificar seu dinheiro de origem duvidosa, transferir a diferentes empresas e reintegrá-lo", informou a CPMI.

Ouvido por parlamentares paraguaios, o ex-presidente BNF, Carlos Pereira, citou questões técnicas e operacionais para justificar as falhas na segurança. O telefone celular de Pereira é um dos citados na lista de contatos do telefone de Messer obtido em investigações realizadas no Brasil.

"Doleiro dos doleiros" é levado para presídio em Bangu

Band Notí­cias

Indícios de influência sobre instituições

Ainda de acordo com a CPMI, quando relatórios sobre atividades de Messer foram emitidos, não foram levados ao Ministério Público do Paraguai.

Há hoje uma investigação em curso sobre a Secretaria de Prevenção a Lavagem de Dinheiro do Paraguai por possível cumplicidade de autoridades do órgão com o doleiro.

A investigação sobre a secretaria está focada principalmente na suspeita de adulteração de um relatório produzido pelo órgão. O documento, inicialmente, citaria relações de Messer com o ex-presidente do Paraguai, Horacio Cartes, que é apontado como sócio do doleiro. Cartes já disse ser "irmão de alma" do doleiro, tamanha a amizade dos dois.

"Foram ocultadas informações sensíveis a respeito de empresas de Messer", diz o relatório da CPMI. "Se confirmada a adulteração, estaria confirmada a cumplicidade para que Messer operasse sem nenhum controle."

Conexão Brasil

O doleiro também operava fora do sistema bancário no Paraguai. Ilan Grinspun, que está em prisão domiciliar no Paraguai, é quem fazia transações em dinheiro vivo para Messer. Era também o responsável por trazer recursos do doleiro ao Brasil.

Segundo o UOL apurou, Messer mantinha dinheiro guardado em caixas de sapato no Paraguai.

Grispun e outros atravessavam a fronteira com esse dinheiro em malas quando o doleiro determinava. Entravam no Brasil de carro ou avião particular, despistando a polícia.

No Brasil, eles convertiam os recursos para reais. Depositavam os valores em caixas eletrônicos para que não precisassem se identificar ou identificar a origem dos recursos.

De acordo com investigações do MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro), dinheiro depositado em contas abertas em nomes de terceiros, mas administradas por doleiros, eram usadas no esquema de pagamento de propinas por obras públicas investigadas pela Lava Jato do Rio.

Messer está sendo acusado pelo MPF-RJ justamente por organizar todo o mercado ilegal de movimentação de recursos oriundos da corrupção investigada no estado, com as revelações sobre o ex-governador Sérgio Cabral.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado no "resumo da notícia", o esquema liderado por Dario Messer é de R$ 6 bilhões, não R$ 6 milhões. A informação foi corrigida.

Mais Política