Topo

CPMI das Fake News quer ouvir Rosa Weber e Manuela D'Ávila

10.set.2019 - Senador Angelo Coronel (PSD-BA) preside a primeira reunião da CPMI das Fake News no Congresso Nacional - Waldemir Barreto/Agência Senado
10.set.2019 - Senador Angelo Coronel (PSD-BA) preside a primeira reunião da CPMI das Fake News no Congresso Nacional Imagem: Waldemir Barreto/Agência Senado

Stella Borges*

Do UOL,em São Paulo

13/09/2019 14h05

Recém-instalada, a CPMI das Fake News quer ouvir pessoas de diferentes áreas até o dia 23 de dezembro, seu prazo de funcionamento. Há requerimentos para convidar desde a presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, até o youtuber Felipe Neto. A CPMI foi criada para apurar a produção e disseminação de notícias falsas na internet.

A lista também inclui um convite para que Manuela D'Ávila, ex-deputada e candidata a vice-presidente na chapa de Fernando Haddad, compareça. Os convites para Manuela e Felipe Neto foram protocolados pelo deputado Túlio Gadêlha (PDT-PE).

Já o deputado Bacelar (PODE-BA) quer que Rosa Weber vá à CPMI para "discorrer sobre a proliferação de notícias falsas em processos eleitorais".

Os parlamentares também incluíram na lista representantes das principais empresas de telecomunicação que atuam no país e os pedidos devem ser votados nas próximas semanas.

Moro, Carlos Bolsonaro e influencers como alvo

Entre os alvos da CPMI estão o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e o vereador do Rio e filho do presidente da República Carlos Bolsonaro (PSC).

Segundo parlamentares ouvidos pelo UOL, blogueiros e influenciadores digitais com posições ideológicas radicais também estão na mira da comissão, especialmente ataques e mensagens de ódio durante a eleição presidencial do ano passado.

Além das fake news nas eleições, os grupos também vão investigar a prática de cyberbullying e denúncias relacionadas a privacidade de dados.

*Com reportagem de Hanrrikson de Andrade, do UOL, em Brasília

Política