PUBLICIDADE
Topo

Seria um prazer sair da prisão e Moro e Deltan entrarem, diz Lula a site

26.abr.2019 - O ex-presidente Lula, em entrevista na Superintendência da Policia Federal, em Curitiba - Marlene Bergamo - 26.abr.19/Folhapress
26.abr.2019 - O ex-presidente Lula, em entrevista na Superintendência da Policia Federal, em Curitiba Imagem: Marlene Bergamo - 26.abr.19/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

28/09/2019 23h12Atualizada em 28/09/2019 23h27

Em meio à possibilidade de seguir para o regime semiaberto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declarou que só quer sair da prisão "com 100% de inocência" -- e que seria "um prazer" que o ministro da Justiça, Sergio Moro, e o procurador Deltan Dallagnol entrassem em seu lugar.

"Eu só saio daqui com 100% de inocência, e o maior prazer seria sair daqui e o Moro entrar no meu lugar. Ele e o Dallagnol", afirmou ao site GGN. A entrevista com Lula foi gravada na quarta-feira (25) e publicada neste sábado.

Ainda na função de juiz, Moro foi o responsável por condenar Lula em primeira instância no processo do tríplex do Guarujá (SP). A denúncia do caso foi feita pela força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná), que é coordenada por Dallagnol. A condenação foi confirmada em instâncias superiores, o que levou o ex-presidente à prisão.

Na noite de ontem, a força-tarefa da Lava Jato se manifestou a favor da progressão de regime de Lula para o semiaberto. A decisão sobre o tema ficará a cargo da juíza federal Carolina Lebbos.

O ex-presidente está preso desde abril de 2018 na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, cumprindo pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Como já cumpriu um sexto da pena, ele tem direito a mudar de regime.

Lula contra tornozeleira: 'Não sou pombo'

Hoje de tarde, via Twitter, a socióloga Rosângela da Silva, namorada de Lula, refutou a possibilidade de o ex-presidente ir para o semiaberto. "A Liberdade irá nos alcançar mas não virá assinada por aqueles que fraudaram a Justiça! #lulainocente #liberdadeplena", escreveu na rede social.

Ainda na sexta, a defesa de Lula também não deu certeza de que tem interesse na progressão de regime, e disse que o assunto seria discutido com Lula. "O ex-presidente Lula deve ter sua liberdade plena restabelecida porque não praticou qualquer crime e foi condenado por meio de um processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades", declarou o advogado Cristiano Zanin Martins.

Na entrevista ao GGN, o petista também deixou claro que não aceitaria deixar a cadeia mediante condições como o uso de uma tornozeleira eletrônica. "Não sou pombo", afirmou.

Desde que passou a ser alvo da Lava Jato, Lula mantém o discurso de que é inocente e perseguido politicamente. A ida para o semiaberto poderia assemelhar, ao menos do ponto de vista político, seu caso ao de outros presos na operação.

No momento, a via preferencial da defesa de Lula para que o ex-presidente deixe a prisão é obter na Justiça o reconhecimento da suspeição de Moro como juiz no processo do tríplex, o que anularia a condenação no caso.

Os advogados afirmam que Moro era suspeito para julgar Lula porque aceitou o convite para assumir o Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro (PSL), um opositor de Lula e do PT. O caso está pendente de decisão no STF (Supremo Tribunal Federal).

Política