Topo

Planalto diz que Bolsonaro não sabia previamente de operação contra Bivar

5.jan.2018 - Jair Bolsonaro e Luciano Bivar - Divulgação/PSL
5.jan.2018 - Jair Bolsonaro e Luciano Bivar Imagem: Divulgação/PSL

Do UOL, em São Paulo

15/10/2019 19h30

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não sabia previamente da operação da Polícia Federal contra o presidente do partido, deputado federal Luciano Bivar (PE). A informação foi divulgada pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros.

"O presidente desconhecia a operação. Não fez comentários, entende que a operação sendo de responsabilidade da Polícia Federal, órgão com tamanha relevância e confiança da sociedade, foi conduzida da melhor forma possível", disse.

A operação "Guinhol", deflagrada hoje pela Polícia Federal, apura se o PSL teria fraudado aplicação de recursos destinados a candidaturas femininas.

A residência de Bivar e uma gráfica. apurou o UOL, foram alguns dos alvos dos nove mandados de busca e apreensão. Todas as ordens judiciais, expedidas pelo TRE-PE (Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco), são cumpridas em Pernambuco.

A operação acontece em meio a uma queda de braço entre Bivar e o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), que ameaça deixar o partido. Na semana passada, Bolsonaro notificou a sigla por mais transparência.

O porta-voz também foi questionado sobre a posição de Bolsonaro em relação ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que foi indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público por ter, como presidente do PSL de Minas Gerais, registrado a candidatura de candidaturas-laranjas para cumprir a cota de mulheres exigidas pela lei e ter usado o recurso recebido por eles do fundo eleitoral em sua própria campanha.

"O ministro do Turismo vem sendo investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. O presidente acompanha este movimento, tem dado apoio e aguarda a solução do inquérito e da denúncia. No caso de hoje, o presidente, por desconhecer detalhes, não há de comentar", afirmou Rêgo Barros.

Política