PUBLICIDADE
Topo

Regina Duarte diz "sim" a Bolsonaro e assume secretaria especial de Cultura

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

29/01/2020 18h21Atualizada em 29/01/2020 19h26

Resumo da notícia

  • Atriz aceita convite feito pelo presidente há dez dias
  • Regina entra no lugar de secretário demitido após imitar discurso nazista
  • Expectativa é de mudanças no órgão e de aproximação com a classe artística
  • Em nota, Planalto afirmou que será um nova fase, com "trâmites preparatórios oficiais para o casamento"

"Noiva" há pouco mais de uma semana, Regina Duarte, 72, enfim disse "sim" a Jair Bolsonaro (sem partido) e aceitou convite para chefiar a secretaria especial de Cultura, pasta subordinada ao Ministério do Turismo. A informação foi confirmada na noite de hoje pela própria artista, após reunião com o presidente no Palácio do Planalto.

Regina assume, segundo presidente, com carta branca para promover mudanças no órgão e tentar uma aproximação com a classe artística. A atriz não disse quando a nomeação será publicada no Diário Oficial da União.

Em nota oficial, o Planalto afirmou que Bolsonaro e Regina "consideram, nesse momento, o avanço de uma nova fase do noivado, com trâmites preparatórios oficiais para o casamento".

Já o Ministério do Turismo informou que "Regina Duarte é a nova secretária especial de Cultura".

"Trata-se de um reforço do mais alto nível para compor o time do governo federal. Turismo e Cultura são atividades com uma forte sinergia que mostram ao mundo o que o Brasil tem de melhor. Tenho certeza de que ela será bem-sucedida nesse novo desafio e que teremos excelentes resultados", disse o ministro Marcelo Álvaro Antônio, em nota.

Atriz substitui secretário que imitou discurso nazista

A escolha de uma artista reconhecida em seu meio, com mais de 50 anos de carreira, é também uma tentativa de o Executivo reduzir os danos provocados pelas polêmicas do ex-ocupante do cargo, o dramaturgo Roberto Alvim. Ele foi demitido depois de veicular um vídeo institucional no qual copiava trechos de um discurso do nazista Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Adolf Hitler.

Regina é próxima da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e conta com a simpatia de membros importantes do governo, como o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo da Presidência).

Desde que foi pessoalmente convidada por Bolsonaro, em 20 de janeiro, a artista vinha se referindo à negociação com o governo Bolsonaro como um "noivado". Afeito a metáforas que remetem a relacionamentos amorosos, o presidente entrou na brincadeira. Chegou a dizer que o casamento "daria o que falar" e que os dois se encontrariam "escondido da primeira-dama".

Na semana passada, Regina viajou a Brasília para um almoço com Bolsonaro e aproveitou para conhecer um pouco da estrutura da secretaria de Cultura, que tinha era de ministério até 2018, no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Convite virou "novela"

O Executivo se esforçou para ter Regina, segundo avaliação feita internamente, e deu demonstrações públicas de que estava de "braços abertos" para recebê-la.

Por desconhecer completamente a estrutura do serviço público e as burocracias do cargo, a atriz optou por estudar e refletir a respeito antes do esperado "sim". Durante esse período, fugiu da imprensa e evitou dar publicidade às agendas.

Mesmo sem saber se ela aceitaria ou não o cargo, Bolsonaro decidiu exonerar o então interino da pasta, José Paulo Soares Martins, dois dias após convidar Regina. O gesto foi visto internamente como mais um sinal de cortejo. No dia seguinte, a atriz indicou sua secretária-adjunta, a reverenda Jane Silva, que estava à frente do segmento de Diversidade Cultural da pasta da Cultura.

Regina faz verso sobre mistério para assumir Cultura

UOL Notícias

Carta branca

Ontem, Bolsonaro declarou que Regina terá liberdade para fazer as mudanças que julgar necessárias à frente da secretaria de Cultura. Destacou considerar, no entanto, que a atriz precisa de "gente com gestão ao seu lado".

"Para mim seria excepcional, para ela, ela tem a oportunidade de mostrar realmente como é fazer cultura no Brasil. Ela tem experiência em tudo que vai fazer. Precisa de gente com gestão ao seu lado, tem cargo para isso, vai poder trocar quem ela quiser lá sem problema nenhum. Então tem tudo para dar certo a Regina Duarte."

Política