PUBLICIDADE
Topo

Política

"Elogio" de Moro a governos do PT só mostra mau-caratismo dele, afirma Lula

Do UOL, em São Paulo

30/04/2020 11h27

Convidado desta quinta-feira para o UOL Entrevista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse hoje, em entrevista condizida pelo colunista do UOL Leonardo Sakamoto, que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro mostrou mau-caratismo ao citar o PT ao deixar o cargo. Na ocasião, Moro disse, sem menção direta, que nas gestões do PT não havia tentativa de interferência na Polícia Federal.

"Isso só demonstra o mau-caratismo do Moro. Utilizou o PT para atacar o Bolsonaro, ele foi lambe-botas do Bolsonaro até o dia que saiu. Poderia dizer que cuidamos não só da PF, do Ministério Público também. Sabe que em nenhum momento tentamos travar investigação. Poderia ter dito desculpa pelo julgamento do Lula, de que o apartamento não é do Lula?", disse.

Procurado pelo UOL, o ex-ministro Sergio Moro disse que não vai se manifestar.

Ao deixar o governo Bolsonaro, Moro reconheceu a autonomia que a PF teve. Os governos de Lula —2003 a 2010— e Dilma Rousseff (PT) —2011 a 2016— foram os principais alvos da Operação Lava Jato, cujos processos eram comandados por Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba.

"Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante esses trabalhos de investigação. É certo que o governo na época tinha inúmeros defeitos, aqueles crimes gigantescos de corrupção", afirmou.

"Mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF para que fosse possível realizar esse trabalho. Seja de bom grado ou seja pela pressão da sociedade, essa autonomia foi mantida", completou.

"Criatura da Globo"

Lula ainda disse que Moro é uma uma "criatura inventada pela Globo" e que ministros não podem se achar maiores do que a República.

Tem uma coisa que eu dizia ao Zé Dirceu e a Dilma: Não acreditem que existem ministros fortes. Quando a imprensa criar a ideia que o ministro é forte ele cai. Ministro não pode achar que é mais importante que o presidente da República.

Moro foi nomeado como superministro, já que sua pasta acabou sendo a junção de suas pastas anteriores: Justiça e Segurança Pública.

Cabo eleitoral em 2022

Lula disse que já estará com 77 anos em 2022 e tem a intenção de ser apenas um "cabo eleitoral".

"Fico olhando minha vida já fui longe demais, acho que quando chegar 2022 que o PT tenha candidato. Eu sinceramente vou estar com 77 anos quando chegar outubro de 22. Se eu tiver juízo tenho que ajudar com que o PT tenha outro candidato e que eu seja um bom cabo eleitoral. Quero ajudar a eleger alguém que tenha compromisso com o povo trabalhando", disse.

"Para que eu fosse candidato em 2022 teria que estar com 100% de saúde, com a disposição que eu tenho agora, porque não posso ser candidato e ficar um velhinho arrastando o pé dentro do palácio, isso não é bom. Já prestei serviço para o país. Espero que o Brasil e o PT não precisem de mim".

serviço para o país. Espero que o Brasil e o PT não precisem de mim", completou.... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/04/30/lula-descarta-candidatura-em-2022-e-diz-querer-ser-cabo-eleitoral.htm?cmpid=copiaecola

Covid-19

Lula criticou os embates de Bolsonaro com governadores e prefeitos em meio à pandemia do novo coronavírus e disse que é preciso encontrar possíveis crimes de responsabilidade do presidente no cargo para iniciar o processo de impeachment.

O governo não pode ficar brigando com governador, prefeito, precisa ser o maestro dos entes federados. Ele não cuida da pandemia, da economia, do emprego, do trabalho. Que governo é esse?

"Ou a gente encontra um jeito de pegar os crimes de responsabilidade que o Bolsonaro cometeu e tira ele ou ele vai acabar com esse país, do jeito que vai", completou.

Lula ainda criticou a postura de Bolsonaro nas relações exteriores. "O meu problema com o Bolsonaro é que ele não cuida da pandemia, da economia, da política de relações exteriores... o Brasil nunca foi tão avacalhado no exterior como agora. Tinha virado protagonista internacional", disse.

Política