PUBLICIDADE
Topo

Schelp: o que o bolsonarismo faz é exatamente o que o Hugo Chávez fez

Do UOL, em São Paulo

30/05/2020 04h00

Na última quarta-feira, dia em que a PF (Polícia Federal) cumpriu mandados de busca e apreensão contra aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o blogueiro Allan dos Santos e Olavo de Carvalho usaram o argumento da liberdade de expressão para criticar a operação da PF — um desdobramento do inquérito sobre fake news, conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes no STF (Supremo Tribunal Federal).

No podcast Baixo Clero #41, Diogo Schelp compara a retórica usada pelo bolsonarismo à do chavismo na Venezuela, citando semelhanças na forma como Hugo Chávez se impôs no país vizinho à maneira como os defensores do presidente agem no Brasil.

"Sempre faço comparação do bolsonarismo com o chavismo e muita gente fica brava comigo, mas é exatamente o que o Chávez fez: usar a ideia de liberdade de expressão para acabar com a liberdade de expressão; usar o conceito positivo que as pessoas têm de democracia para acabar com a democracia; usar a reputação das Forças Armadas para dividir as Forças Armadas", afirma Schelp (disponível no arquivo acima a partir de 30:47).

"No caso da Venezuela, aceitaram transformar as Forças Armadas num cartel de narcotráfico. Então, é exatamente o mesmo caminho, é inacreditável", completa o jornalista.

Maria Carolina Trevisan comenta uma declaração de Olavo de Carvalho, em que ele defende pena de morte para o ministro Alexandre de Moraes. Ela também questiona a forma como os bolsonaristas defendem a liberdade de expressão, ao mesmo tempo em que atacam jornalistas que publicam reportagens que os desagradam.

"Olavo de Carvalho, como está protegido nos Estados Unidos, não tem que lidar com as pessoas aqui no Brasil e teve coragem de falar que é a favor da pena de morte para o Alexandre de Moraes. Tem limite! Ele está incitando essa base, agora armada, dos mais radicais", afirma Trevisan.

"Uma reportagem como a da Patrícia Campos Mello [jornalista da Folha de S.Paulo] fez sobre a indústria das fake news não é liberdade de expressão? Ela merece o que o Eduardo Bolsonaro fez, que foi expô-la com memes e a chamando de prostituta? Ela está sendo ameaçada até hoje. É muito grave isso o que está acontecendo. É o momento de dar nome para as coisas que são feitas. Coisas fascistas, dar nome de fascismo", conclui a jornalista.

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Política