PUBLICIDADE
Topo

Política

Não fui a uma comemoração, diz Doria sobre coletiva com Covas e apoiadores

Allan Brito, Lucas Borges Teixeira e Rafael Bragança

Do UOL, em São Paulo

30/11/2020 16h33

O governador João Doria (PSDB-SP) declarou que a reunião de vitória do prefeito Bruno Covas (PSDB) no diretório estadual do partido em São Paulo na noite de ontem (29) não era uma comemoração, mas uma coletiva de imprensa. Em meio à piora dos índices da covid-19, o governo estadual tem desestimulado aglomerações.

"Eu, ontem, fui a uma coletiva de imprensa, não fui a uma comemoração. Ali, no local onde eu estava, estavam os jornalistas também, de todos os veículos e comunicação —muitos dos quais estão aqui", afirmou o governador na tarde desta segunda (30), em coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

Na noite de ontem, Doria se reuniu com correligionários, apoiadores, vereadores eleitos e membros da chapa vitoriosa em um pequeno auditório da Rua Estados Unidos, zona oeste, para a entrevista de Covas após a confirmação da reeleição. Sem aparecer muito durante a campanha, ele chegou ao local acompanhado do prefeito.

Questionado por uma jornalista se a reunião não seria um "contrassenso" em relação às frequentes recomendações de não aglomeração do governo, Doria não se alongou. "Não fui participar de comemoração nem celebração", repetiu.

Hoje o governo anunciou que todo o estado passará para a fase amarela do Plano São Paulo —incluindo a capital—, após piora nos indicadores.

A ocupação máxima permitida nos estabelecimentos de comércio e serviços passa de 60% para 40%, e o horário de funcionamento é limitado a dez horas diárias. O limite de ocupação também vale para bares e restaurantes, assim como o horário reduzido, maior mudança em relação à fase verde. Já o consumo no local segue sendo permitido até as 22h. Além disso, eventos com público em pé estão proibidos.

Aglomerações e festas proibidas

Aglomerações e maior fluxo de pessoas nas ruas e em bares fechados têm sido alguns dos principais motivos indicados pelo governo para o aumento de casos e internações. Doria seguiu desestimulando a reunião de pessoas e reiterou que festas de ano novo estão proibidas.

"Não é hora de festa. Não é hora de celebração. Só poderemos voltar a ter festas depois da vacinação. Enquanto isso, não devemos ter aglutinações nem públicas e nem privadas", disse.

Segundo ele, o governo paulista vai "aplicar medidas proibindo qualquer festividade privada ou pública" enquanto não houver vacinação. "Não vamos permitir. Adotaremos medidas legais, que se sobrepõem a medidas municipais, para impedir realização de festas de Reveillon", concluiu.

Política