PUBLICIDADE
Topo

Política

Seria uma honra ter Bolsonaro no PP, diz presidente do partido

Ciro disse que não vê o ingresso de Bolsonaro no PP no curto prazo, mas afirmou que a sigla tem trabalhado para recebê-lo - Reprodução
Ciro disse que não vê o ingresso de Bolsonaro no PP no curto prazo, mas afirmou que a sigla tem trabalhado para recebê-lo Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

04/12/2020 11h45

O senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do Progressistas, disse hoje que "seria uma honra" contar novamente com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na sigla.

"Já manifestei o convite [para ingressar na sigla], seria uma honra para o partido ter o presidente Bolsonaro", afirmou Ciro em entrevista para a rádio Jovem Pan.

"Existe uma identificação, o Progressista tem um perfil de partido que tem dado apoio a diversos governos, mas nunca um governo teve tanta identificação com o partido como esse", continuou.

Avaliando a possibilidade de que a ida de Bolsonaro ao PP se concretize, Ciro disse que não vê o ingresso do presidente no partido no curto prazo, mas que a sigla tem trabalhado para recebê-lo a partir de 2021.

Formando a base de apoio do governo no Congresso, o PP de Ciro Nogueira faz parte do centrão, um grupo de partidos composto por outras siglas de centro e centro-direita como, por exemplo, o Republicanos e o PSD.

Em busca de um partido

Político com mais de 30 anos de carreira, Bolsonaro já foi filiado ao PP em duas ocasiões: entre 1993 e 2003 e entre 2005 e 2016.

Além do PP, Bolsonaro também já foi filiado ao PTB, ao PSC e ao PSL, sendo que este último era o que ele fazia parte quando se elegeu presidente nas eleições gerais em 2018.

Porém, em novembro de 2019, após desentendimentos com o deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente do PSL, Bolsonaro se desligou do partido, se tornando o primeiro presidente a exercer o mandato sem partido desde o fim da ditadura militar.

Assim que deixou o PSL, Bolsonaro passou a tentar criar seu próprio partido, o Aliança Pelo Brasil, porém, a sigla não conseguiu obter registro a tempo das eleições municipais.

Segundo apuração do UOL, preocupado com o avanço do centro e da centro-direita nas eleições de novembro, Bolsonaro tem se movimentado para ter uma sigla sob seu controle o quanto antes, seja o Aliança ou outra legenda.

Política