PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Só se for 'por sinal de fumaça', diz Kalil sobre diálogo com Bolsonaro

Kalil concedeu coletiva de imprensa na Prefeitura de BH sobre abertura de serviços na capital - Reprodução/Facebook
Kalil concedeu coletiva de imprensa na Prefeitura de BH sobre abertura de serviços na capital Imagem: Reprodução/Facebook

Mariana Durães

Colaboração para o UOL

19/04/2021 16h06

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), disse hoje que não vê possibilidade de diálogo com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o enfrentamento e combate à pandemia de covid-19. Para Kalil, se nem governos estaduais têm alcançado êxito, não será ele que vai conseguir.

"Não perco tempo com isso mais. Eu perdi tempo um ano e meio", afirmou sobre conversas e a possibilidade de um lockdown nacional como estratégia.

Depois, de maneira irônica, Kalil disse: "eu sou prefeito de Belo Horizonte. Se o governador de São Paulo não consegue, se o governador do Rio não consegue. Se o Bolsonaro não me recebe, só se eu conversar com ele por sinal de fumaça". A frase foi dita durante a coletiva de imprensa que anunciou a abertura de comércios e escolas em BH,

Compra de vacinas

O prefeito de BH também falou sobre vacinas e insumos, como forma de esclarecimento para os belo-horizontinos. Kalil destacou que o município atua somente como "repassador para a população" e que, na capital mineira, "ninguém comprou uma vacina, e nem um insumo".

Kalil agradeceu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por auxílio e contato direto com o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado. "Foi muito importante para a vinda desse equipamento [vacinas e insumos] para Minas e para Belo Horizonte".

O prefeito ressaltou, ainda, que anunciará caso faltem doses na cidade, mas que, quando chegam os imunizantes, é "mérito ao governo federal, que pagou e mandou".

Vacinação de professores

Apesar da volta às aulas para alunos da educação infantil, entre 0 e 5 anos e 8 meses, estar confirmada para a próxima segunda-feira (26), não há previsão de quando professores serão vacinados na capital mineira. Segundo a SMSA (Secretaria Municipal de Saúde) de Belo Horizonte, isso só irá acontecer quando for permitido pelo PNI (Plano Nacional de Imunização), que é de competência do Ministério da Saúde.

A secretaria explicou que "não tem autonomia para alterar as ordens de público prioritário indicadas". Além disso, reforçou a necessidade de novas remessas de imunizantes para que o público seja ampliado.

As creches e escolas das redes municipal e particular deverão seguir um protocolo que será publicado ainda nesta semana pela secretaria de saúde.

A fase dois de reabertura das instituições de ensino - que inclui estudantes de 6 a 8 anos -, e a fase três - para crianças e adolescentes de 9 a 14 anos, bem como Ensino Médio e Universidades -, serão avaliadas posteriormente. O avanço dependerá dos impactos da primeira etapa e dos índices relativos a transmissão, novos casos, internações e óbitos.

Política