PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Bolsonaro volta a atacar Calheiros e diz que Lula não vence em 2022

Lucas Valença

Do UOL, em São Paulo

14/05/2021 13h13Atualizada em 14/05/2021 14h32

Em uma cerimônia de entrega de títulos rurais em Mato Grosso do Sul, o presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid e a própria atuação do colegiado. O presidente também afirmou que o ex-presidente Lula só se elege, caso seja candidato em 2022, "fraudando as eleições".

"Se faz uma CPI em Brasília que não é para apurar propina na vacina não. Disso a imprensa está com saudades. Daí faz uma CPI, com aquela composição que está lá, para apurar omissões do governo federal, mas na hora de convocar governadores, é contra", declarou aplaudido por apoiadores.

Segundo Bolsonaro, que classificou o relator do colegiado como um "crápula", a CPI não é para investigar desvio de recursos públicos, mas para atingir o governo. "Até porque, se investigar o governo em desvio de recursos, vai perder tempo", disse.

Ao defender o voto impresso, o presidente também criticou a atuação de gestões passadas e afirmou que o ex-presidente Lula não se elegeria, caso a PEC do voto impresso seja promulgada pelo Congresso.

"O bandido foi posto em liberdade, foi tornado elegível e, no meu entender, para ser presidente na fraude. Ele só ganha na fraude no ano que vem", enfatizou.

Cloroquina e isolamento social

O uso da cloroquina para o tratamento da covid-19 também foi defendido pelo presidente que contrariou a ciência ao afirmar que o "lockdown" não possui "comprovação científica" para impedir a disseminação do vírus.

"É o que tenho dito, eu não sou médico não, mas quando tenho algum problema de estômago, sabe o que eu tomo? Coca-Cola. Ninguém me venha encher o saco para eu tomar outra coisa, o buxo é meu. Daí pintou o caso da cloroquina. É direito da pessoa ser contra, mas não vá querer criminalizar quem a usa", afirmou ao também defender o uso de outros medicamentos sem comprovação, como a ivermectina.

Pouco antes, Jair Bolsonaro havia criticado o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que depôs na CPI da Covid. No momento, ele discursava sobre a formação de seu ministeriado, o que classificou como "técnico".

"(Quando formamos o governo) Buscamos um ministério técnico e em alguns casos eu quebrei a cara, como o da Justiça e o da Saúde, o perneta. Aquele do protocolo 'fique em casa' e que quando estiver morrendo, aí procure o hospital para ser entubado", disse.

Nesta quarta-feira (12), o Datafolha apresentou uma nova pesquisa em que mostra o ex-presidente Lula liderando as intenções de voto para a corrida presidencial no primeiro turno das eleições de 2022, com 41% contra 23% de Bolsonaro.

Também estiveram presentes no evento, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães.

Política