PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Em semana de exposição em alta, Doria confirma pré-candidatura para 2022

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou pré-candidatura hoje, durante coletiva sobre situação da pandemia - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou pré-candidatura hoje, durante coletiva sobre situação da pandemia Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Henrique Sales Barros, Lucas Borges Teixeira e Rayanne Albuquerque

Do Uol, em São Paulo

16/06/2021 13h37Atualizada em 16/06/2021 14h34

Após uma semana intensa de agendas públicas ou entrevistas coletivas diárias apenas na capital, desde o domingo (13), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou hoje à imprensa sua pré-candidatura à eleição presidencial em 2022. Ele deverá disputar as prévias nacionais do partido no final de novembro.

Além de Doria, outras três lideranças deverão participar do pleito tucano: Arthur Virgílio, ex-prefeito de Manaus; Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul; e Tasso Jereissati, ex-governador do Ceará.

Disputei e venci duas prévias aqui em São Paulo, em 2016 e em 2018. As duas únicas prévias realizadas pelo PSDB. Aliás, as duas únicas prévias realizadas no país foram feitas aqui em São Paulo. E eu entendo que as prévias agregam, somam, fortalecem e ativam a candidatura daquele que for o vencedor e, em nome do PSDB, poderá dialogar com os demais partidos para a disputa presidencial em 2022
João Doria, governador de São Paulo

A Executiva Nacional do PSDB divulgou ontem as regras para as prévias que irão escolher o candidato da legenda à presidência. O modelo escolhido é diferente do que foi defendido por Doria.

As regras, aprovadas por 28 votos contra 11, determinam que o colégio eleitoral será formado por quatro grupos de votantes, cada um com peso 1, representando 25% do total de votos.

Segundo o PSDB, o primeiro grupo será de filiados, sem cargo eletivo. Já o segundo será de prefeitos e vice-prefeitos, enquanto o terceiro será de vereadores, deputados estaduais e distritais e o quarto de governadores, vice-governadores, ex-presidentes, deputados federais, senadores e o atual presidente da Comissão Executiva Nacional.

A possibilidade de se candidatar à presidência sempre esteve no horizonte do Doria, em especial quando venceu na sequência as eleições (e prévias) para a prefeitura, em 2016, e o governo, em 2018, da maior cidade e o maior estado do país.

Em São Paulo, a vitória do governador no pleito tucano é dita como certa, apesar de uma parcela de apoiadores defender que ele busque a reeleição estadual e deixe os planos de Brasília para 2024.

Mas Doria está decidido. Tanto que, em maio, trouxe o vice-governador Rodrigo Garcia do DEM para o PSDB com objetivo de lança-lo como seu candidato. Isso causou mais uma fissura com o grupo do ex-governador Geraldo Alckimin, que se via como candidato natural do partido caso Doria vá mesmo ao Planalto. Agora, também deverão ocorrer prévias estaduais.

A votação nacional está prevista para acontecer no dia 21 de novembro. Um segundo turno está agendado para acontecer no dia 28 do mesmo mês, caso seja necessário. As incrições para os candidatos ocorrerá em 20 de setembro e os debates terão início no dia 18 de outubro.

Política