PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Doria rebate Bolsonaro por dizer que CoronaVac não deu certo: "Bem vencerá"

João Dória mostra caixa da CoronaVac durante apresentação dos índices de eficácia da vacina do Instituto Butantan  - DANILO FERNANDES/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
João Dória mostra caixa da CoronaVac durante apresentação dos índices de eficácia da vacina do Instituto Butantan Imagem: DANILO FERNANDES/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

04/07/2021 16h55

O governo de São Paulo, João Doria (PSDB), agradeceu apoio recebido pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, e rebateu críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em relação à eficácia da CoronaVac, vacina contra o coronavírus desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com Instituto Butantan.

"Querido amigo, Eduardo Paes, mais uma vez, meus sentimentos pelo seu pai. Parabéns pelo depoimento e obrigado pelas palavras. A racionalidade vencerá a desinformação. O bem vencerá o mal", afirmou o tucano, nas redes sociais.

Mais cedo, em resposta a um vídeo em que Bolsonaro afirma que a vacina "não deu certo", Paes escreveu que sua mãe sobreviveu à covid por ter sido imunizada com as duas doses da Coronavac e que o ataque do presidente à vacina se tratava de "desinformação". O prefeito ainda agradeceu ao Instituto Butantan, que produz a Coronavac, e ao governador de São Paulo, João Dória.

"Tomem qualquer vacina. Vacina boa é a que vai no braço! Diante de desinformação, me sinto obrigado a dar meu depoimento pessoal: minha mãe tomou as duas doses da CoronaVac e passou ilesa pela covid. Meu pai só tinha tomado a primeira de outra vacina. Obrigado, Butantan, e João Doria Jr.", postou Paes, ao republicar uma crítica ao vídeo em que o presidente da República desqualifica a CoronaVac.

Vacinação pelo Brasil

O Brasil alcançou ontem a marca de 27.011.395 de pessoas que completaram a vacinação contra a covid-19, o correspondente a 12,76% da população do país. O levantamento é do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, com base nos dados fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde.

Hoje, há quatro tipos de vacinas contra covid-19 disponíveis no país. Os laboratórios responsáveis pela produção da CoronaVac, Oxford/AstraZeneca e Pfizer/BioNTech recomendam a aplicação de duas doses para o combate mais eficiente à doença. Já a fabricante da Janssen indica apenas uma dose para que o processo de imunização esteja completo.

Com relação às vacinas que necessitam das duas doses, a primeira delas foi aplicada em 633.960 pessoas entre ontem e hoje no país. Nesta etapa inicial, o total de vacinados chegou a 76.175.303, o equivalente a 35,97% da população nacional. A dose de reforço foi aplicada em outras 99.796 nas últimas 24 horas. No mesmo período, 89.552 brasileiros foram vacinados com a dose única da Janssen.

O estado de São Paulo se mantém na liderança entre aqueles que, proporcionalmente, mais vacinaram com a primeira dose: 42,85% de seus habitantes.

Política