PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
2 meses

TRE-RJ fará live para comprovar que 'urnas são auditáveis'

TRE-RJ aproveitará as eleições suplementares de três municípios do Rio para transmitir ao vivo a apuração - Antonio Augusto/Ascom/TSE
TRE-RJ aproveitará as eleições suplementares de três municípios do Rio para transmitir ao vivo a apuração Imagem: Antonio Augusto/Ascom/TSE

Colaboração para o UOL

27/07/2021 17h53Atualizada em 28/07/2021 15h51

O presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Rio de Janeiro, o desembargador Cláudio dell'Orto, afirmou que fará uma live em setembro para comprovar a confiabilidade do atual processo eleitoral.

"As urnas são auditáveis e vamos aproveitar os pleitos em Itatiaia, Silva Jardim e Santa Maria Madalena para possibilitar que as pessoas conheçam esse procedimento, que visa comprovar a sua segurança", disse dell'Orto.

Com o voto impresso sendo debatido em comissão da Câmara e ataques do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) às urnas eletrônicas, o TRE-RJ aproveitará as eleições suplementares dos três municípios do Rio de Janeiro para transmitir ao vivo a apuração dos pleitos.

Em 12 de setembro, dia das novas votações nos municípios fluminenses, a auditoria poderá ser acompanhada pelo YouTube.

As eleições suplementares foram convocadas pelo TSE, por julgar indeferidos os registros dos candidatos vencedores em Itatiaia e Santa Maria Madalena. Em Silva Jardim, o tribunal entendeu que houve irregularidades em um partido integrante da coligação mais votada.

Bandeira de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) adotou o retorno do voto impresso como uma bandeira e praticamente uma necessidade para as eleições de 2022. Segundo o mandatário, o atual sistema eleitoral não é confiável e "ou fazemos eleições limpas ou não temos eleições".

Grande parte da oposição já se posicionou publicamente contra a ideia e a falta de provas por trás da bandeira do presidente. No entanto, Bolsonaro e alguns aliados continuam insistindo no projeto sob a alegação de que não é viável ter eleições no próximo ano sem o voto impresso.

Política