PUBLICIDADE
Topo

Randolfe cobra PF após Bolsonaro divulgar inquérito sigiloso

Do UOL, em São Paulo

05/08/2021 12h52Atualizada em 05/08/2021 17h02

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), cobrou que a Polícia Federal investigue o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após a publicação de um inquérito sigiloso nas redes sociais do mandatário.

"Pergunto ao senhor Anderson Torres, ministro da Justiça, ao senhor diretor-geral da PF, a que horas será anunciada a abertura de inquérito contra o senhor presidente da República, já que o inquérito contra esta CPI foi anunciado", afirmou Randolfe na CPI.

Espero, assim como o vigia espera pela aurora, que o diretor-geral da Polícia Federal, que o senhor ministro da Justiça informem, ainda no dia de hoje, a que horas será aberto o inquérito contra o senhor presidente da República pela divulgação, com todas as digitais, de um inquérito sigiloso nas suas redes sociais."
Senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

O discurso de Randolfe segue decisão da PF de abrir uma investigação para apurar o suposto vazamento de depoimentos que foram repassados para a CPI da Covidsegundo a Polícia Federal, os senadores deveriam ter respeitado o sigilo das informações para resguardar o avanço das investigações.

Em comunicado, a PF informou que um dos vazamentos está no âmbito da investigação que apura crime de prevaricação pelo presidente Bolsonaro. Outro depoimento vazado faz parte da investigação sobre irregularidades na compra da vacina Covaxin.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.