PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
2 meses

André Marinho diz que é o MP que 'quer a cadeira do Flávio Bolsonaro'

André Marinho fez pergunta que irritou Bolsonaro na Jovem Pan - Instagram/Reprodução
André Marinho fez pergunta que irritou Bolsonaro na Jovem Pan Imagem: Instagram/Reprodução

Do UOL, em São Paulo

10/11/2021 15h44

O humorista André Marinho rebateu o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre afirmações de que o seu pai, o empresário Paulo Marinho, estaria interessado na vaga de Flávio Bolsonaro (Patriota-SP) no Senado. A afirmação do presidente veio após uma pergunta de André sobre "rachadinha", durante uma entrevista.

"O que eu queria dizer é o seguinte: não foi meu pai que quer a cadeira do Flávio [Bolsonaro], como eles tolamente insistem. É o Ministério Público que quer a cadeira [no Senado]", disse, em entrevista ao Metrópoles.

O humorista completou dizendo: "Não foi o meu pai que fez associação criminosa, lavagem de dinheiro, desvio de dinheiro público, que elevou ao estado da arte você usar verba de gabinete para poder ficar amealhando recursos e fazendo compra de imóveis superfaturado. O que é deles está guardado, disso eu não tenho a menor dúvida."

Bate-boca durante programa

Na ocasião do bate-boca, Bolsonaro era entrevistado no programa Pânico, da Jovem Pan, quando se irritou com André Marinho. O humorista questionou o presidente se "rachador teria que ir para cadeia", ao que Bolsonaro respondeu com uma cortada.

Mesmo assim, André insistiu no assunto "rachadinha", dizendo que não se referia a Bolsonaro e sua família, e o presidente continuou a discussão, dizendo: "seu pai [Paulo Marinho] quer a cadeira do Flávio Bolsonaro". Depois, o presidente abandonou a entrevista.

Uma semana após o caso, o humorista pediu demissão hoje da Jovem Pan. Depois, André Marinho afirmou que "teria sido muito fácil ser neutro" e disse que o programa "ganhou um contorno muito politizado, começando a receber convidados simpáticos ao atual governo".

"E eu me vi na posição de estabelecer o contraponto. Fiz isso para honrar a profissão do comunicador", declarou.

Ex-aliado de Bolsonaro

O pai de André é ex-presidente do PSDB no Rio de Janeiro e ex-aliado de Bolsonaro. Paulo Marinho é, também, suplente do senador Flávio Bolsonaro.

Apesar do grande apoio na eleição - já que a casa do empresário foi usada como comitê para a campanha -, André Marinho garantiu que nunca houve proximidade entre as famílias. De acordo com o humorista, eles só iam onde eram chamados.

"Quem nos procurou foi o então pré-candidato Jair Bolsonaro, temendo pela sua candidatura. Isso aconteceu através do meu saudosíssimo tio Gustavo Bebianno, que se foi em março do ano passado. Morreu de tristeza, porque foi escorraçado com requintes de crueldade, depois de ter dedicado integralmente dois anos da vida dele a esse projeto", disse.

Paulo Marinho também respondeu Bolsonaro

Logo após o caso, o empresário Paulo Marinho usou as redes sociais para responder com ironia às indiretas feitas a ele pelo presidente Jair Bolsonaro. Ele demonstrou surpresa com a atitude "descortês" do presidente e disse que Bolsonaro repete "ladainha".

"Aliás, capitão, para de repetir essa ladainha de que eu quero o mandato do seu filho Flávio Bolsonaro. Quem quer o mandato do Flávio é o Ministério Público, capitão, não sou eu", disse.

Paulo Marinho também disse que era diferente de Bolsonaro porque educou os filhos "para serem honestos, pessoas do bem, e para não temerem os poderosos como você".

Política