PUBLICIDADE
Topo

Política

Governador de MG estima que chuvas geraram prejuízo de R$ 400 milhões

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), em foto de arquivo - Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), em foto de arquivo Imagem: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Do UOL, em Brasília

14/01/2022 17h46

As fortes chuvas que atingem várias cidades de Minas Gerais vão causar um prejuízo de, pelo menos, R$ 400 milhões, segundo cálculos do governador Romeu Zema (Novo). Em entrevista para o jornal O Globo, ele disse que, apesar do rombo econômico, a época de temporais causou menos mortes este ano.

"Esse valor está sendo levantado. Nós sabemos que o prejuízo é muito grande. É muito provável que, só em obras de infraestrutura para recuperar o que nós tínhamos antes das chuvas, serão mais de R$ 400 milhões. Mas esse número pode aumentar", disse Zema.

O receio do governador é que outros acidentes, como a queda de uma rocha em Capitólio e o deslizamento de terra em Ouro Preto que "engoliu" edifícios, causem mais prejuízo. "Se hoje um rio estiver com o volume de água alto e destruir uma ponte, aí amanhã são mais R$ 10 milhões para você refazer essa ponte", falou.

Apesar das 25 mortes confirmadas no estado em decorrência das chuvas desde outubro de 2021, "comparado com anos anteriores, felizmente o número de óbitos está expressivamente menor". As 10 mortes em Capitólio poderão ser incluídas no cálculo pela Defesa Civil após a conclusão da investigação.

Apoio do governo Bolsonaro

Na entrevista com O Globo, o governador de MG se esquivou de questões sobre o apoio de Jair Bolsonaro (PL). Ele afirmou ter recebido ajuda do governo federal, mas que é preciso "primeiro ter condição de trabalhar".

"Bom, se você me falar 'eu estou te mandando agora R$ 200 milhões para poder reparar estruturas', eu iria deixar esse dinheiro aqui aguardando algumas semanas, porque nós precisamos da terra seca", falou.

Segundo o governador, os recursos financeiros são fundamentais, mas não são a prioridade no momento. "Reduzir verba é relativo. Se você reduziu e melhorou o atendimento. Acho que nós temos de ver o resultado final. Não é só milhões que resolvem", explicou.

Ontem, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), ironizou ausência do presidente. "Queremos que ele [Bolsonaro] passe para o amigo dele um Pix. Faça um Pix para o Zema de R$ 1 bilhão e vai resolver o problema, se tiver capacidade de resolver", falou no UOL News.

Perguntado na entrevista do Globo se Zema saberia dizer por que Bolsonaro não foi visitar o estado ou as cidades impactadas pela chuva, o governador de Minas disse: "Acho que essa pergunta teria de ser direcionada a ele".

Zema ainda disse que falar das próximas eleições está fora de cogitação por enquanto: "Nós estamos no meio de uma enchente, no meio de uma pandemia, eu estou preocupado em estruturar a vacinação e a reconstrução do estado. Eleição para mim é segundo semestre de 2022."

Política