PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

Moro deixar disputa à Presidência seria desastre histórico, diz Alvaro Dias

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/02/2022 09h36

O líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), rechaçou a possibilidade do ex-juiz Sergio Moro (Podemos) abandonar a disputa à Presidência da República para tentar outra posição política.

Em entrevista ao UOL News, apresentado pela jornalista Fabíola Cidral, Dias afirmou que abriria mão de sua candidatura ao Senado se Moro quisesse concorrer ao cargo pelo partido. No entanto, ele classificou a opção como "jogo" de quem quer desgastar a imagem do ex-ministro da Justiça.

"Só ele poderia responder sobre sua disposição de desistir de uma candidatura. Não imagino essa hipótese. A candidatura dele é rio que vai até o mar e não tem volta. Vai passar por tormentas, mas chegará ao mar", disse Alvaro Dias.

Não há outra alternativa para ele. Seria um desastre histórico [desistir de concorrer à Presidência]." Alvaro Dias, senador do Podemos

Para o senador, Sergio Moro é quem reúne as melhores "possibilidades eleitorais" de fazer oposição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a Jair Bolsonaro (PL). "Não se admite o afastamento dele para o favorecimento de um outro nome. Até porque a distância entre ele e os outros já é significativa."

"Isso é um jogo de quem quer desgastá-lo. Ele é o candidato que atemoriza porque apanha de ambos lados. E isso é porque [Moro] é o mais forte dos pretendentes nesse caminho do meio. Para acabar a polarização, ele é, sem dúvida, o nome mais forte e, evidentemente, procuram desgastá-lo com essas hipóteses", avaliou Dias.

O fortalecimento da candidatura de Moro pode vir com uma coligação do Podemos e União Brasil — algo que é desejado pelo próprio pré-candidato. Alvaro Dias também sinalizou uma aproximação com o Cidadania, porém esclareceu que isso ainda não está confirmado.

"O que mais se discutiu até aqui foi a possibilidade de uma aliança com o União Brasil. Da nossa parte, a possibilidade da coligação. Da parte do União Brasil, havia o desejo da filiação de Sergio Moro e houve o convite. O que está estabelecido é que ele permanecerá no Podemos, e poderá sim se concretizar uma coligação com o União Brasil."

'Catalisador de insatisfações'

O senador Alvaro Dias admitiu que Sergio Moro ainda não tem um "crescimento expressivo" entre os eleitores, porém, para ele, isso se deve ao momento da corrida pré-eleitoral.

"Seria excepcional se ele obtivesse já nessa fase um crescimento expressivo. Se sairmos às ruas e perguntarmos à população, o percentual expressivo sequer sabe quem são os candidatos à Presidência. Nessa fase não há campanha, o que há é a boa e a má vontade da mídia em relação aos candidatos", afirmou.

Apesar disso, o político classificou o ex-juiz como protagonista entre os pré-candidatos que aparecem nas pesquisas eleitorais. "Sergio Moro já é protagonista, e sem ser protagonista não se tem nem chance eleitoral. Por essa razão, haverá, não da parte dos políticos, pois dificilmente terá uma convergência entorno de um nome [para a terceira via], mas haverá essa convergência da parte dos eleitores."

"Seria incrível imaginar que só temos no país duas correntes de pensamento político, uma representada por Lula e outra por Bolsonaro. Há um espaço enorme no meio, onde transita Sergio Moro. Sendo protagonista, ele sai à frente dos outros, e com o tempo os demais passam a ser ignorados e ele passa a ser o catalisador das insatisfações tanto à direita quanto à esquerda. Com isso, ele reunirá condições de chegar ao segundo turno", analisou.

Política