PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Moro critica atuação de Gilmar Mendes e diz que ministro 'anula tudo'

Sergio Moro (União Brasil) foi juiz da Operação Lava Jato - Reprodução
Sergio Moro (União Brasil) foi juiz da Operação Lava Jato Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

11/05/2022 12h03Atualizada em 11/05/2022 15h13

O ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) criticou hoje as decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) e apontou que alguns ministros da Corte são "inimigos do combate à corrupção", uma das principais bandeiras defendidas pelo ex-ministro da Justiça do Governo Bolsonaro.

Ao citar um dos membros do tribunal, Moro disparou contra Gilmar Mendes e afirmou que o ministro "anula tudo e não condena ninguém". As declarações foram concedidas ao talk show 'Talk Churras', no YouTube.

"A lava jato foi conhecida no mundo inteiro como exemplo de combate à corrupção e a gente está vendo esse retrocesso. Muito vem de alguns ministros do Supremo Tribunal Federal que são autodeclarados inimigos do combate à corrupção. A gente pode citar os nomes e tal, vou mencionar apenas um, o Gilmar Mendes", afirmou o ex-juiz da Operação Lava Jato em Curitiba.

Questionado pelo apresentador do talk show se o ministro da Corte seria um "inimigo do combate à corrupção", Moro concordou. "Eu acho que, pelas posições dele [Gilmar Mendes], anula tudo, condena ninguém e ainda é extremamente ofensivo nas decisões dele ao pessoal da Lava jato e inventa umas histórias que não nada a ver, eu só vejo isso."

O político, que abriu mão da disputa à presidência da República no pleito deste ano, afirmou que "nunca viu" Gilmar Mendes condenar alguém, com exceção do trabalho do ministro no Mensalão.

Eu nunca vi ele [Gilmar Mendes] condenar ninguém. Você já viu ele condenar alguém? No mensalão lá, condenou umas pessoas, depois a Lava Jato, depois o impeachment da Dilma. Ele foi absolutamente contrário a qualquer condenação de qualquer um. Sergio Moro

Em março, Gilmar declarou que um dos legados do presidente Jair Bolsonaro (PL) foi ter "devolvido" Moro ao "nada".

"Não, presidente. Entre seus legados está ter nomeado Sergio Moro [como] ministro da Justiça e depois tê-lo devolvido ao nada", declarou o ministro na ocasião. Na ocasião, Moro rebateu a declaração e disse que a única forma de escapar dos ataques, aos quais chamou de descabidos, do membro do Supremo, seria praticando corrupção, coisa que não faria por seu compromisso com a Justiça e com o povo brasileiro.

Moro já criticou anulações do ministro do STF

O ex-juiz disse, em abril, que Gilmar Mendes queria "anular toda a Lava Jato com base em mensagens hackeadas". A fala de Moro fez referência ao uso de diálogos da Operação Spoofing, investigação sobre hackers de autoridades, entre elas o ex-juiz e procuradores da Lava Jato, na sentença.

A declaração do último mês ocorreu após o ministro anular esta semana as decisões do processo contra Walter Faria, dono da cervejaria Petrópolis, segundo o colunista Guilherme Amado, do site Metrópoles. Faria foi alvo da operação Rock City, fase 62 da Lava Jato, em 2019.

"Gilmar Mendes quer anular toda a Lava Jato com base em mensagens hackeadas. Aliás, nem proferi decisões nesta operação. O STF e a sociedade vão deixar isso acontecer?", questionou. O ex-juiz ainda afirmou na ocasião que a ação de Mendes é "mais um balde de água fria nos brasileiros de bem".

*Com Estadão Conteúdo

Política