PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Sakamoto: Agressão a do Val é uma mostra do que vai acontecer nas eleições

Colaboração para o UOL, em São Paulo

30/06/2022 14h29

O colunista do UOL Leonardo Sakamoto criticou hoje as agressões sofridas pelo ex-deputado de São Paulo Arthur do Val (União Brasil) durante uma manifestação do MBL (Movimento Brasil Livre) em Londrina, no Paraná. Do Val foi agredido pelo ex-deputado federal Emerson Miguel Petriv (PROS-PR) e Sakamoto destacou que se nenhuma atitude para conter a violência for tomada, essas cenas serão comuns até as eleições de outubro.

"A polícia, as autoridades e o Ministério Público precisam frear (a violência) dando o exemplo agora, para evitar que isso continue escalando, porque vai escalar. Isso é só uma mostra do que vai acontecer e, por enquanto, as pessoas podem achar graça porque é com o Arthur do Val, mas isso vai escalar e atingir um monte de gente até as eleições. A gente precisa frear essa violência ligada a política", disse durante participação no UOL News.

Sakamoto também afirmou que esse tipo de atitude partindo de dois ex-deputados, mesmo que cassados, pode fazer a população como um todo normalizar agressões políticas. "Se um ex-deputado cassado pode bater em outro ex-deputado, também cassado, boa parte das pessoas comuns vão achar que podem fazer isso em um churrasco, no bar ou em qualquer outro lugar".

O comentarista do UOL também lembrou que Arthur do Val construiu sua carreira política desta forma, com vídeos e edições para ganhar seguidores, mas que, independentemente disso, nada justifica uma agressão física. "Essa agressão deve ser punida e a polícia deve investigar e punir o responsável. Isso não pode ser aceito e é totalmente injustificável".

Do Val, que foi cassado pelo plenário da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) em maio e perdeu seus direitos políticos por oito anos, agora atua como coordenador de campanha do pré-candidato a deputado estadual, Renato Battista, também membro do MBL. Arthur do Val também afirmou que registrou um boletim de ocorrência após as agressões.

Política