Topo

Conteúdo publicado há
5 meses

Militar preso pela PF foi em atos golpistas de 8/1: 'Foi bonito aqui!'

Sargento Luis Marcos Dos Reis foi supervisor na ajudância de ordens de Bolsonaro desde o início do governo até julho de 2022 - Folha de S.Paulo
Sargento Luis Marcos Dos Reis foi supervisor na ajudância de ordens de Bolsonaro desde o início do governo até julho de 2022 Imagem: Folha de S.Paulo

Do UOL, em Belo Horizonte

16/06/2023 18h12Atualizada em 16/06/2023 20h26

O sargento do exército Luis Marcos Dos Reis, preso pela PF em maio na operação sobre fraude nos cartões de vacinação de Bolsonaro, esteve nos atos golpistas de 8 de janeiro e relatou o que viu e gravou. Leia o documento.

O que aconteceu:

Em um relatório da PF, elaborado com base no celular apreendido com ex-ajudante de ordens Mauro Cid, Dos Reis conta a um amigo que estava na esplanada: "Você está vendo televisão, p*rra! Eu estou no meio da muvuca".

Segundo a PF, Dos Reis foi para a Esplanada com a esposa e um de seus filhos e enviou vídeos do local para pelo menos três pessoas diferentes.

"Nós temos que cada um fazer a nossa força aqui. Representar o nosso país, né? Graças a Deus! Mas foi bonito aqui! É, muita das vezes a televisão fala mentira aí, que... Realmente, é a primeira vez que eu vejo aqui", diz o sargento ao amigo.

Ele continua: "Entraram no Planalto, no Congresso, Câmera dos Deputado e entrou no STF. E quebrou, arrancou as togas lá daqueles ladrões. Arrancou tudo! Foi, foi... O bicho pegou hoje aqui! Spray também de pimenta, gás lacrimogêneo".

Dos Reis menciona que a prima do amigo com quem conversava estava lá, mas não diz seu nome. "O pau torou aqui! Sua prima estava no combate aqui comigo! Tamo aqui ainda! Bicho está pegando!", complementa.

Diálogo encontrado pela PF mostra o relato do sargento sobre estar no meio dos atos golpistas de 8 de janeiro - Reprodução/Polícia Federal - Reprodução/Polícia Federal
Diálogo encontrado pela PF mostra o relato do sargento sobre estar no meio dos atos golpistas de 8 de janeiro
Imagem: Reprodução/Polícia Federal

Em resposta, o contato diz ser bom que o sargento "é do quartel" e "já tem toda a prática". O homem continua: "Eu dou risada, mas o negócio é sério".

Os dois voltam a conversar à noite, e o amigo pergunta ao sargento se "os manifestantes já saíram de Brasília". Dos Reis responde que "só Deus sabe" e continua: "Já cheguei em casa. Amanhã eu trabalho cedo. O recado foi dado".

Em outra conversa, uma mulher diz ser uma "benção" que o "nosso mito" não estava no Brasil, "senão iriam colocar a culpa nele", em referência ao ex-presidente Bolsonaro, que saiu do país em 30 de dezembro de 2022, antes de Lula assumir a presidência.

O relatório também mostra conversas do sargento com Mauro Cid. Em uma delas, de novembro de 2022, ele pede "uma posição" do ajudante de Bolsonaro por conta do "terror que estão tocando na frente do teu batalhão". "Chama os cara (sic) da reserva (...) para nós entrar (sic) em ação."

Quem é o sargento Dos Reis

Dos Reis foi supervisor na ajudância de ordens de Bolsonaro desde o início do governo até julho de 2022, segundo seu currículo disponível no site do Governo Federal.

Em maio deste ano, ele foi preso em uma operação da PF que investiga fraudes nos cartões de vacina de Bolsonaro e de sua filha Laura. Mauro Cid foi preso no mesmo dia, suspeito de ter fraudado os documentos vacinais.

As inserções de dados falsos sobre as vacinas teriam ocorrido entre novembro de 2021 e dezembro de 2022, segundo a PF. O período contempla a gestão de Marcelo Queiroga à frente do Ministério da Saúde.