PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Wizard diz que vai 'apostar 100%' na cloroquina e prega tratamento precoce

Carlos Wizard ao lado de Bolsonaro; empresário assumirá secretaria do Ministério da Saúde - Reprodução/Instagram
Carlos Wizard ao lado de Bolsonaro; empresário assumirá secretaria do Ministério da Saúde Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

04/06/2020 09h15Atualizada em 04/06/2020 10h52

O empresário Carlos Wizard está alinhado ao discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de usar a cloroquina como maior arma no combate ao coronavírus. Anunciado como secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Wizard deve assumir o cargo nos próximos dias e também defenderá o tratamento precoce de possíveis contaminados.

"Vamos apostar 100%, seguir e defender a cloroquina", afirmou o empresário à colunista Bela Megale, do jornal O Globo. Segundo o futuro secretário, o governo já encomendou dez toneladas da matéria-prima para a fabricação do medicamento com a Índia.

"Esperamos que, nos próximos 30 dias, possamos receber essa carga no Brasil", previu o empresário.

A negociação, segundo a coluna, foi no valor de cerca de US$ 6 milhões, o que equivale a mais de R$ 30 milhões.

Wizard afirmou que aposta na cloroquina por confiar na eficácia do medicamento no tratamento da covid-19, ainda que a OMS (Organização Mundial da Saúde) não recomende a substância e que o maior estudo já feito sobre ela não comprove sua eficiência contra o coronavírus.

"Estudos científicos internacionais comprovam a eficácia do uso precoce dessas substâncias", disse em entrevista ao jornal O Globo, sem especificar, porém, quais seriam esses estudos.

Para o novo número três do Ministério da Saúde, estudos mais recentes que concluíram a ineficácia do medicamento no tratamento da covid-19, como o publicado pela revista científica Lancet, são questionáveis. Wizard, inclusive, lembrou que a pesquisa está sendo alvo de uma auditoria, como a própria Lancet já havia confirmado.

"Criou-se uma fantasia em torno da cloroquina e hidroxicloroquina, quando na verdade esses medicamentos existem há 50, 60, 70 anos. Até hoje ninguém questionou, criou resistência ou se opôs a esse tipo de tratamento", afirmou. "Se a pessoa tomar esse remédio por cinco dias, vai ter um dano? Não, vai ter um salvamento de vida."

Tratamento precoce até para familiares

O empresário também apoia uma mudança na recomendação do Ministério da Saúde em relação à época em que a pasta era liderada por Luiz Henrique Mandetta (DEM). Segundo Wizard, o tratamento de pessoas suspeitas de contágio tem que ser dado no sistema de saúde assim que elas manifestem os sintomas. E ele também apoia o uso profilático, ou seja, para evitar que se contraia o vírus.

"Hoje, a nossa recomendação como Ministério da Saúde, e especificamente da nossa secretaria técnica da Ciência, é justamente o contrário: a pessoa começou a ter os primeiros sintomas, vai para posto de atendimento, UPA, pronto-socorro, hospital, plano médico", explicou Wizard, defendendo o tratamento também para pessoas próximas a quem tenha um diagnóstico positivo.

"Comprovada a covid, entra imediatamente em procedimento, onde ele passa a ter o tratamento precoce. E todos os seus familiares, (o tratamento) profilático. Ou seja, o sujeito é casado, tem mulher, filhos, aquele grupo familiar já passa a ter tratamento antecipado", disse o empresário.

Coronavírus