PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Eficácia geral de CoronaVac fica abaixo de 60%, mas dentro do aceitável

CoronaVac, Instituto Butantan  - ALOISIO MAURICIO/ESTADÃO CONTEÚDO
CoronaVac, Instituto Butantan Imagem: ALOISIO MAURICIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Guilherme Mazieiro e Leonardo Martins

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

11/01/2021 17h05Atualizada em 11/01/2021 20h26

A taxa de eficácia geral da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, ficou abaixo dos 60%, mas acima de 50% —mínimo determinado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para aprovar o imunizante —, segundo apurou o UOL.

Duas pessoas que têm acesso ao estudo do Butantan afirmaram à reportagem que o índice da vacina, a ser apresentado oficialmente amanhã no instituto, mostra que o imunizante é eficaz para atingir a imunidade coletiva e está dentro dos padrões da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Segundo elas, quem tomar a vacina criará anticorpos contra o novo coronavírus e, mesmo que seja contaminado, terá apenas sintomas leves, como dor de cabeça, que poderão ser tratados com medicação leve.

Na semana passada, o governo João Doria (PSDB) havia anunciado, depois de dois adiamentos, que a taxa de eficácia clínica (capacidade de prevenção da doença em casos mais leves) é de 78%.

No caso de sintomas mais graves, a taxa de eficácia foi de 100%, ou seja, nenhum voluntário desenvolveu a forma mais grave do coronavírus, que pode levar à morte. Isso significa, segundo pesquisadores, que a vacina pode reduzir a demanda por leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Já o índice de eficácia geral também é calculado ao final da fase 3 de testes em seres humanos. Nessa etapa, parte de um grupo toma o imunizante e outra parte toma um placebo (um composto neutro). A partir daí, pesquisadores acompanham quantos participantes, ao todo, desenvolveram a doença, seja de forma leve, moderada ou grave.

A eficácia geral é calculada comparando a proporção de casos entre os vacinados e os não vacinados. Pelo critério da Anvisa, a taxa de incidência da doença no grupo vacinado tem que ser menos que a metade da taxa de incidência do grupo que recebeu o placebo.

Se a taxa de incidência da doença no grupo que recebeu o imunizante for metade da taxa de incidência do grupo que recebeu o placebo, a vacina é considerada 50% eficaz.

O pedido de uso emergencial (para grupos restritos como indígenas, idosos e profissionais da saúde) foi feito à Anvisa na última sexta-feira (8), e a agência tem até dez dias para decidir se permite ou não a vacinação. Neste período serão analisados os estudos do Butantan e a segurança e eficácia da vacina.

Neste final de semana, a Anvisa solicitou informações que não foram entregues pelo Butantan. Entre as pendências está o relatório de imunogenicidade do estudo fase 3 —relativo à capacidade do medicamento dar resposta imune.

A expectativa do governo paulista, que hoje voltou a cobrar celeridade da Anvisa, é de dar início à imunização com a CoronaVac no dia 25 de janeiro. O plano apresentado prevê prioridade para imunização de profissionais da saúde, quilombolas, indígenas e idosos.

O governo federal, que anunciou a compra até o final do ano de 100 milhões de doses da vacina a ser produzida no Butantan. A pasta informou que a programação mais próxima é para início da vacinação em 20 de janeiro. Mas ressalta que isso só será possível se houver vacinas aprovadas pela Anvisa e doses disponíveis para aplicação.

No final de semana, ministério informou que todas as vacinas foram compradas do Butantan e serão entregues pelo SUS (Sistema Único de Saúde) simultaneamente aos estados.

O país tem 203.153 mortes em decorrência do novo coronavírus e 8,1 milhões de infectados. Os dados foram apresentados ontem pelo consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte.

Após a publicação deste texto, o Butantan divulgou nota em que reafirma que os novos dados sobre a CoronaVac serão apresentados amanhã às 12h45, na sede do instituto. Veja a íntegra da manifestação:

"O Instituto Butantan esclarece que qualquer informações sobre a eficácia da vacina contra o coronavírus que não sejam as apresentadas pela instituição na última semana são meramente especulativas. Novos dados serão divulgados em coletiva de imprensa nesta terça-feira, às 12h45, na sede do instituto. O Butantan é a única instituição biofarmacêutica do país que promove entrevistas coletivas semanais sobre a vacina, testes clínicos, registro na Anvisa, chegada de novas doses e outras informações relevantes."

CoronaVac na Indonésia

Nesta segunda-feira (11), a Indonésia autorizou a vacinação emergencial com a CoronaVac. Além da liberação, a Indonésia anunciou que a eficácia da vacina nos testes conduzidos no país foi de 65,3% em resultado preliminar. A fase 3 contou com 1.620 voluntários.

Na semana passada a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) também pediu à Anvisa autorização de uso emergencial da vacina Oxford/AstraZeneca. A instituição quer aval para aplicar 2 milhões de doses produzidas na Índia e que devem ser importadas até o fim do mês. Até sexta-feira (15), a Fiocruz pretende fazer o pedido de registro da vacina, para ter autorização para vacinação em massa.

Saúde