PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Plano SP: Reclassificação é antecipada para sexta com regressão de regiões

Leonardo Martins, Rafael Bragança e Allan Brito

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL

13/01/2021 13h11Atualizada em 13/01/2021 16h41

O governo paulista anunciou hoje em entrevista coletiva que decidiu antecipar a próxima reclassificação do Plano São Paulo, de retomada econômica, para sexta-feira (15). A medida é um reflexo dos novos parâmetros utilizados pela Secretaria Estadual da Saúde para medir o avanço da doença.

A capital deve continuar na fase amarela do programa. Até o momento, autoridades da Secretaria de Saúde municipal não foram informadas se haverá regressão de fase. Atualmente, o estado segue com a tendência de alta nas contaminações pelo novo coronavírus, o que tem resultado em piora nos índices de ocupação de leitos de UTI. No estado, 66,3% deles já estão ocupados, enquanto a Grande São Paulo tem 67,7%.

A pasta reconhece que os índices de internações continuam subindo, mas alega que os números ainda estão dentro dos padrões para a fase amarela. Há um consenso entre todos os médicos do comitê de saúde de que São Paulo deve chegar em um novo pico de contaminações e internações em uma semana. Para os infectologistas, isso é uma consequência direta das aglomerações nas festas de fim de ano.

Estamos tendo revelações e números maiores estarão presentes. Precisamos que toda população esteja atenta, seguindo rituais e normas sanitárias."
Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde do Estado de SP

O anúncio da nova data de reclassificação foi feito hoje pelo governador João Doria (PSDB) durante entrevista coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo. A última atualização foi divulgada na sexta-feira (8). Três regiões regrediram da fase amarela para a laranja, com 90% da população do estado se mantendo na fase amarela, incluindo a capital.

8.jan.2021 - Plano SP - 17ª atualização - Divulgação/Governo de SP - Divulgação/Governo de SP
Mapa atualizado do Plano SP
Imagem: Divulgação/Governo de SP

Um subgrupo do Centro de Contingência ao Coronavírus elaborou esse novo método com o intuito de endurecer a quarentena em São Paulo. O Centro de Contingência é uma pasta independente, que conta com infectologistas e epidemiologistas, e foi criado pelo governo paulista com o objetivo de sugerir e guiar as ações no controle da pandemia.

Na classificação determinada pelo Plano SP, as regiões de Marília, Sorocaba e Registro estão na fase laranja desde segunda-feira (11), após regredirem da amarela. Elas se juntaram a Presidente Prudente, que subiu da fase vermelha para a laranja.

CoronaVac e atraso nos documentos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que está prevista para o próximo domingo (17) a decisão da diretoria colegiada do órgão sobre os pedidos de autorização emergencial das vacinas contra o novo coronavírus.

Doria tem um plano estadual de vacinação com a CoronaVac marcado para começar em 25 de janeiro, mas ainda alimenta a expectativa de iniciar a imunização antes, se tiver o aval da Anvisa.

A vacina do Butantan atende plenamente [aos requisitos da Anvisa]. E atendendo plenamente, ela deve ser colocada imediatamente após a aprovação da Anvisa para a vacinação dos brasileiros."
João Doria

Publicamente, o governador tem pressionado a Angêcia pela aprovação. Porém, até o momento, 5,4% da documentação da CoronaVac ainda não foi apresentada à Anvisa segundo site de monitoramento lançado pela agência.

Coordenador-executivo do Centro de Contingência ao Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, demonstrou confiança hoje na aprovação da CoronaVac: "Não tenho dúvida que a Anvisa vai autorizar o registro da vacina da Sinovac. O mundo vai aprovar. Porque ela é segura, tem eficácia, tem efetividade e vai ser importante na redução da transmissibilidade [do novo coronavírus]".

Volta às aulas presenciais

O Governo de São Paulo também falou sobre educação hoje. O secretário Rossieli Soares anunciou o plano Conecta Educação, que promete investimento de R$ 1,2 bilhão em compra de equipamentos para alunos e profissionais da área. De acordo com ele, serão adquiridos e distribuídos notebooks, tablets, chips e televisores, além de melhorias em redes de wi-fi e plataformas.

"O Conecta Educação nasce com um dos maiores investimentos em tecnologia para educação, por causa da pandemia, mas olhando pro pós pandemia. Estamos há mais de dez meses sem aulas presenciais, com prejuízos incontáveis no aspecto da educação. Eles já são perceptíveis nas famílias. Estamos buscando respostas para minimizar perdas", afirmou Rossieli. "

A gente tem explorado inovações tecnológicas, temos buscado novas possibilidades para professores no uso de tecnologia, e melhoria de infraestrutura é importante. Não dá para voltar para a escola analógica. Um passo importante precisa ser dado para que ela seja transformada."
Rossieli Soares, secretário estadual de Educação

Depois, o secretário também falou sobre a polêmica da volta às aulas presenciais. Algumas cidades do estado não pretendem retomar as atividades em 1º de fevereiro, como estipulou o governo estadual. Rossieli disse que o estado está "pronto" para o retorno e ameaçou judicializar a questão caso os prefeitos não apresentem uma "justificativa epidemiológica".

"Defendo a posição clara de que a educação deve ser prioridade. Para a escola ser fechada, precisa ter decreto da autoridade municipal dizendo que vai fechar. Silêncio ou vídeo da internet não fecha. Precisa da justificativa epidemiológica", cobrou o secretário. "Dizer que vai esperar vacina não é justificativa epidemiológica. Se não, teriam que fechar todos demais setores essenciais".

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no título e no texto, destacado pela home-page do UOL, a reclassificação do Plano SP será feita na sexta-feira (15), e não amanhã. A informação foi corrigida.

Coronavírus