PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Com 83% de lotação de UTI, Covas aumenta leitos e suspende aulas em SP

Lucas Borges Teixeira e Allan Brito

Do UOL, em São Paulo, e Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/03/2021 12h20Atualizada em 12/03/2021 14h10

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou hoje a suspensão das aulas presenciais na capital a partir da próxima quarta (17) até 1º de abril. Além disso, ele também afirmou que abrirá 555 novos leitos de UTI (unidade de tratamento intensivo) e enfermaria voltados à covid-19. O objetivo é combater a escalada da pandemia na cidade e garantir atendimento a pacientes infectados pelo novo coronavírus.

Segundo Covas, em coletiva virtual na manhã desta sexta (12), a suspensão das aulas valerá para todas as escolas na cidade de São Paulo, tanto públicas quanto particulares. Com o feriado de Páscoa, as aulas presenciais só deverão voltar no dia 5 de abril. Ontem (11), o estado já havia decretado a suspensão presencial para as aulas da rede estadual.

Como fez o governo estadual, a suspensão se dá como uma antecipação do recesso previsto para os próximos meses. No caso da prefeitura, o recesso ocorreria em julho.

De acordo com o último boletim da prefeitura, a capital tem 83% das 2.311 vagas em UTI ocupadas e 76% dos 876 leitos de enfermaria, mas diversos hospitais já começam a apresentar lotação.

Taxas de ocupação de leitos na cidade de São Paulo - Divulgação/ Prefeitura de São Paulo - Divulgação/ Prefeitura de São Paulo
Ocupação de leitos na cidade de São Paulo
Imagem: Divulgação/ Prefeitura de São Paulo

Essa medida se faz necessária para que a gente possa conter o avanço do coronavírus na cidade. A suspensão de aulas presenciais vale para a rede privada, para a rede pública estadual e para a rede pública municipal aqui na cidade de São Paulo.
Bruno Covas (PSDB), prefeito de São Paulo

Desde a liberação das aulas, em fevereiro, a prefeitura vem acompanhando o surgimento de surtos de síndrome gripal —quando há dois ou mais casos de covid em uma sala—, junto à Vigilância Sanitária. Nas últimas semanas, houve uma explosão de casos.

Segundo Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde, na primeira semana, houve 173 surtos. Na segunda, 181, e, na terceira, última com boletim, 500 surtos. "Por isso, prefeito, a Vigilância fez uma nota para suspensão das aulas", afirmou.

Covas disse que as escolas estarão abertas nos dias 15 e 16 para orientar os pais. "Quem já puder, na segunda e na terça, não enviar os filhos para a escola, melhor para evitar a circulação [de pessoas]", recomendou o secretário municipal de Educação, Fernando Padula.

O secretário explicou ainda que, como é um recesso, o setor administrativo das escolas se manterá em atividade e o cartão merenda continuará a ser reabastecido normalmente. "A expectativa é que, em julho, a situação esteja muito melhor", justificou Padula sobre a alteração do recesso.

Mais 555 leitos

Aparecido anunciou ainda a abertura de 555 leitos referenciados (para pacientes encaminhados após atendimento médico) na capital ainda neste mês. Já na segunda (15), serão disponibilizados 130 de UTI e, ao longo da semana, mais 185 de enfermaria.

"Vamos suspender todas as cirurgias eletivas nos 16 hospitais-dia [da cidade] para a conversão desses hospitais de baixa e média complexidade, alocando em cada um 15 leitos para atendimento prioritário de pacientes de AMAs [Assistência Médica Ambulatorial]. Porque UPAs [Unidade de Pronto Atendimento] e prontos-socorros sofrem enorme pressão", afirmou Aparecido.

Fase emergencial

A alta nas internações também ocorre no estado e no país, que enfrentam o pior momento da pandemia, com recorde de óbitos em 24 horas e lotação das UTIs voltadas a covid em quase 90%. Para combater a escalada em todo o estado, o governo estadual anunciou, na última quinta-feira (11), uma fase emergencial do Plano São Paulo, com redução dos serviços essenciais e restrições à circulação de pessoas.

A fase emergencial deverá durar de segunda até 30 de março. Nesse período, ficam suspensos os eventos esportivos (como campeonato de futebol) e as celebrações religiosas. As escolas estaduais terão um recesso antecipado e a Secretaria Estadual da Educação recomendou a mesma medida para as redes municipal e particular.

Lojas de materias de construção saem da lista de atividades essenciais e, portanto, terão que fechar. Bares e restaurantes não terão atendimento presencial —o drive-thru pode funcionar das 5h às 20h, fora do horário do toque de recolher. O serviço de delivery está liberado.

Não foi anunciada alteração no transporte público, mas o governo sugeriu horários de entrada diferenciados para os setores que continuarão funcionando, para tentar evitar aglomeração em ônibus, trens e metrôs.

Coronavírus