PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Pesquisa mostra que 1/4 das cidades tem pacientes em espera por vaga de UTI

20.mai.2020 - Ala de UTI para pacientes internados com coronavírus no hospital Gilberto Novaes, em Manaus - Michael Dantas/AFP
20.mai.2020 - Ala de UTI para pacientes internados com coronavírus no hospital Gilberto Novaes, em Manaus Imagem: Michael Dantas/AFP

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

09/04/2021 13h36

Pelo menos 768 cidades do país têm pacientes infectados pela covid-19 em estado grave à espera de um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), o que dá uma média de uma a cada quatro cidades que responderam a terceira edição de pesquisa realizada pela CNM (Confederação Nacional de Municípios) entre os dias 5 e 8 de abril. Ao todo, dos 5.568 municípios, 3.169 responderam ao questionário.

Segundo o levantamento, o percentual de cidades que responderam o questionário com pacientes nessa condição representa 24,2% do total avaliado.

No último dia 25, o Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde) já havia revelado que existia, naquela data, uma fila de espera por UTI que incluía 6.730 pacientes.

Além de aguardar leitos de UTI, a pesquisa da CNM desta semana perguntou se havia pessoas aguardando vagas para internação em UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). Dos 768 municípios que têm esse tipo de equipamento, 201 (ou 26,2% do total que respondeu) afirmaram que há fila.

Também na pesquisa, 1.207 municípios (38,1%) apontaram ter "risco iminente do hospital da sua região" ficar sem medicamentos do kit intubação ainda nesta semana. Na pesquisa da semana passada, eram 1.141 municípios. Já o risco de faltar oxigênio foi apontado por 589 municípios.

Medidas de isolamento

Outro ponto levantado pela pesquisa aponta que 25,8% das cidades responderam (819 municípios) adotam o fechamento total de serviços não essenciais para conter o avanço da doença.

Sobre o toque de recolher, 75,1% (2.379 prefeituras) informaram que adotam a medida para restringir a circulação de pessoas à noite.

Esse percentual sobe para 79,9% (2.531 cidades) quando o período de fechamento é o fim de semana.

Uma medida adotada pela maioria absoluta dos municípios é a suspensão das aulas presenciais, que foi adotada por 87,1% (2.761) dos municípios pesquisados.

Ainda de acordo com o novo levantamento, 9,5% (301) das prefeituras anteciparam feriados municipais para conter aglomerações.

Coronavírus