PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Prefeito de Aracaju toma posse como novo presidente da FNP

Edvaldo Nogueira (PDT), prefeito de Aracaju (SE), foi empossado como presidente da FNP - Reprodução / Instagram / Imagem de arquivo
Edvaldo Nogueira (PDT), prefeito de Aracaju (SE), foi empossado como presidente da FNP Imagem: Reprodução / Instagram / Imagem de arquivo

Lucas Valença

Colaboração para o UOL, em Brasília

15/04/2021 12h56Atualizada em 15/04/2021 12h57

A FNP (Frente Nacional de Prefeitos) empossou hoje Edvaldo Nogueira (PDT), prefeito de Aracaju (SE), como novo presidente da entidade. O ex-prefeito de Campinas (SP) Jonas Donizette (PSB) deixou a função também dando posse aos demais membros da diretoria-executiva que terão mandato por dois anos.

O prefeito de São Paulo (SP), Bruno Covas, assumiu a 1ª vice-presidência, ficando a 2ª vice-presidência sob a responsabilidade de Eduardo Paes, gestor do Rio de Janeiro (RJ). Eles foram eleitos em chapa única.

O novo responsável pela FNP, Edvaldo Nogueira, mantém o mesmo grupo político no comando da entidade. Anteriormente, o prefeito de Aracaju era vice-presidente da Frente.

Bruno Covas, um dos poucos a participar do encontro virtual de máscara, defendeu que a Frente continue discutindo temas importantes, como a pandemia do novo coronavírus, e afirmou que os municípios "precisam" dialogar com o Congresso Nacional, responsável por tocar as reformas Tributária e Adminsitrativa.

"Temos muitos temas que precisamos reforçar para darmos mais condições aos prefeitos para que possam atender bem a sua população", disse.

Participação da OMS

Também participou da cerimônia de posse a diretora-geral assistente para Acesso a Medicamentos e Produtos Farmacêuticos da OMS (Organização Mundial da Saúde), Mariângela Simão, que enfatizou que os gastos com o chamdo 'kit prevenção', distribuído pelo governo federal, "é jogar dinheiro fora".

"Existem evidências fartas e científicas que avaliam todos os efeitos com relação à Hidroxicloroquina, Ivermectina, e nenhum desses medicamentos têm influência, seja na prevenção, seja na diminuição da gravidade da doença", afirmou.

Sobre o fechamento das atividades comerciais, a representante da OMS disse que a redução da circulação de pessoas é uma medida amarga, mas são necessárias e precisam ser consistentes entre a União, os estados e os municípios. "Não tem outro meio. Quando o sistema de saúde entra em colapso, você tem a elevação da mortalidade do vírus", disse ao defender que se evitem aglomerações.

Segundo a assessoria de comunicação da FNP, as vice-presidências temáticas e regionais serão apresentadas no dia 20 de maio, em razão da pandemia, "que exige reuniões virtuais e cerimônias mais curtas".

Coronavírus