PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

CoronaVac, Oxford e Pfizer: veja diferenças entre as vacinas contra covid

RICARDO MORAES/REUTERS
Imagem: RICARDO MORAES/REUTERS

Douglas Porto

Do UOL, em São Paulo

11/05/2021 04h00Atualizada em 12/05/2021 11h18

Três vacinas contra covid-19 são aplicadas atualmente no Brasil —todas foram aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Desenvolvidas em tempo recorde, todas têm eficácia comprovada contra o coronavírus, mas apresentam diferenças em relação à origem e ao intervalo entre doses, por exemplo.

Por enquanto, as vacinas distribuídas gratuitamente no PNI (Plano Nacional de Imunização) são:

  • CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac;
  • Covishield, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca, e fabricada nacionalmente pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz);
  • ComiRNAty, que foi desenvolvida pelos laboratórios Pfizer e BioNtech.

O UOL esclarece algumas diferenças entre elas:

Doses

  • CoronaVac: São aplicadas duas doses, com intervalo entre 14 e 28 dias. Caso haja atraso, a recomendação do Ministério da Saúde é para aplicação mesmo após quatro semanas.
  • Oxford/AstraZeneca: Duas doses com intervalo de 12 semanas.
  • Pfizer/BioNtech: Duas doses. A bula indica intervalo de 21 dias, mas o Ministério da Saúde recomendou 12 semanas.

Armazenamento

  • CoronaVac: As doses ficam em refrigerador simples, com temperatura entre 2ºC e 8ºC.
  • Oxford/AstraZeneca: Refrigerador simples, com temperatura entre 2º e 8ºC.
  • Pfizer/BioNtech: Por ser produzida com RNA, necessita de super refrigeradores em temperaturas muito baixas, a -75ºC para validade de seis meses. Entretanto, há autorização da Anvisa para armazenagem em -20ºC, com validade de duas semanas.

Eficácia

  • CoronaVac: Segundo o Butantan, a eficácia geral ficou em 50,38%. A prevenção em casos leves é de 78% e, para casos moderados e graves, 100%.
  • Oxford/AstraZeneca: Reduz em 67% a transmissão. Tem eficácia de 76% entre os 22º e 90º dia da aplicação. E de 82,4% após a aplicação da segunda dose.
  • Pfizer/BioNtech: Entre 16 e 44 anos, previne a infecção em 96,1% dos casos e 100% nas mortes. Acima dos 85 anos, protege contra a infecção em 94,1% dos casos, contra hospitalização em 96,9% e, contra morte, em 97%.

Tecnologia

  • CoronaVac: É desenvolvida com vírus inativado, que são expostos a calor e produtos químicos para não se reproduzir. Dessa maneira, não deve deixar as pessoas doentes, mas sendo capazes de criar uma resposta imunológica contra o vírus.
  • Oxford/AstraZeneca: É desenvolvida com vetor viral não replicante --com adenovírus modificado geneticamente, que carrega instruções para a produção da proteína especula do novo coronavírus. Ao entrar na célula, faz com que o organismo produza resposta imunológica contra o vírus.
  • Pfizer/BioNtech: É desenvolvida com tecnologia de RNA mensageiro, que transporta informações genéticas ao organismo para que seja produzida uma proteína do vírus que ative o sistema imunológico para gerar resposta de anticorpos contra o coronavírus.

Quem pode tomar

Todas as vacinas foram testadas em pessoas adultas (acima de 18 anos). No Brasil, quem determina a faixa etária que vai receber a vacina é o governo local —ou seja, estados e municípios, responsáveis pela ponta final da distribuição.

Em Alagoas, por exemplo, as doses da Pfizer foram encaminhadas para grávidas, puérperas e transplantados. Em São Paulo, no entanto, ela é aplicada em qualquer pessoa dos grupos prioritários que procurem os postos de saúde em que o imunizante esteja disponível —mas não é possível escolher qual delas vai tomar.

Na terça-feira (12), o Ministério da Saúde determinou a suspensão da aplicação da vacina de Oxford/AstraZeneca para gestantes e puérperas com comorbidades. A decisão segue recomendação da Anvisa, que apura a morte de uma grávida de 35 anos que tomou o imunizante e teve um AVC (acidente vascular cerebral).

Medidas complementares

Além de reduzir o risco de transmissão, o imunizante também ajuda a evitar formas mais graves da doença, segundo especialistas. Ainda assim, como o porcentual da população vacinada ainda é baixo e é necessário manter o protocolo sanitário (distanciamento social e higiene). Nem 20% dos brasileiros foram imunizados até agora.

Coronavírus