PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Covid: Saúde volta a recomendar vacinação para adolescentes após críticas

Isabella Cavalcante

Colaboração para o UOL, em Brasília

22/09/2021 21h37Atualizada em 22/09/2021 23h26

O Ministério da Saúde voltou a recomendar a vacinação contra a covid-19 para adolescentes entre 12 e 17 anos sem comorbidades. A decisão acontece seis dias depois de a pasta do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) orientar a suspensão da imunização para este público, medida que recebeu críticas de autoridades da Saúde, especialistas e governadores e prefeitos.

"Os benefícios superam eventuais riscos", disse o secretário-executivo do ministério, Rodrigo Cruz, hoje à noite, ao justificar o recuo da Saúde. Ainda assim, a pasta pede que sejam priorizados adolescentes com comorbidades e jovens que cumprem penas privativas de liberdade.

Segundo Cruz, a orientação para suspender a vacina decorreu de dois fatos. O primeiro foi a morte de uma adolescente em São Bernardo do Campo (SP) sete dias depois de receber o imunizante. Na semana passada, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já havia informado que o óbito provavelmente não tinha relação com a vacina da Pfizer e, por isso, recomendou que os adolescentes sem comorbidades fossem vacinados. Hoje, a Anvisa confirmou que a morte da jovem decorreu de uma doença autoimune rara e grave.

O segundo motivo alegado foi o de que havia na "base de dados alguns adolescentes vacinados com imunizantes não autorizados para o grupo", explicou o secretário Cruz. Do total de pessoas entre 12 e 17 anos e registrados no sistema do Ministério, apenas 0,7% foram imunizados com outra vacina diferente da Pfizer. Antes da decisão da Saúde na semana passada, vários estados e municípios já vacinavam adolescentes sem doenças preexistentes.

Ainda na coletiva, Cruz disse que o presidente Jair Bolsonaro — que com frequência declara que ainda não se vacinou — está ciente da nova posição da Saúde: "Óbvio que ministro sempre conversa com o presidente sobre todas as decisões, nada é feito à revelia do ministro ou do presidente, ele tem conhecimento do que foi apresentado aqui hoje".

No entanto, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, gerou dúvidas sobre a imunização da faixa etária, e um funcionário da pasta lançou suspeita de que a vacina da Pfizer, única liberada pela Anvisa para adolescentes, teria causado a morte da jovem em São Paulo. Rapidamente a Anvisa esclareceu que a adolescente não foi a óbito por conta da dose Pfizer e manteve a recomendação para a vacinação dos jovens de 12 a 17 anos.

Vários estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão, Santa Catarina e Amazonas, mantiveram a vacinação, apesar da recomendação contrária da Saúde.

A carta do Ministério veio no meio de falta de estoque de AstraZeneca em alguns estados, além de lotes retornados da CoronaVac. Ontem, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal Ricardo) Lewandowski determinou que os próprios estados e municípios devem decidir se vão ou não vacinar os jovens, seguindo evidências científicas.

Críticas ao ministério

Logo que foi anunciado o recuo na quinta-feira passada (16), a SBIM (Sociedade Brasileira de Imunizações) e os conselhos Conass (Nacional de Secretários de Saúde) e Conasems (Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) repudiaram a ação.

A primeira disse que a medida gera medo da vacina e abre espaço para fake news. Já os conselhos lamentaram a orientação e falaram que a decisão do Ministério foi tomada "unilateralmente e sem respaldo científico".

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi um dos que manteve a vacinação dos adolescentes apesar da não recomendação do Ministério na semana passada. "Coibir a vacinação integral dos jovens de 12 a 17 anos é menosprezar o impacto da pandemia na vida deste público. Três a cada dez adolescentes que morreram com covid-19 não tinham comorbidades em São Paulo", falou.

"Este grupo responde ainda por 6,5% dos casos e, assim como os adultos, está em fase de retomada do cotidiano, com retorno às aulas e atividades socioculturais", completou.

Eduardo Paes (PSD), prefeito do Rio de Janeiro, foi mais incisivo: "Eles vão voltar atrás de novo. Eu acredito, e nem precisa de cartinha do presidente da República se desculpando pelas afirmações de ontem, que esse é mais um arroubo de quem não para pra pensar duas vezes sobre aquilo que diz".

Entidades recomendam vacinação

O CNS (Conselho Nacional de Saúde) também pediu ao Ministério da Saúde que mantivesse a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos no PNI (Plano Nacional de Imunização). O CNS é uma instância colegiada e permanente do SUS (Sistema Único de Saúde), integrante da estrutura organizacional do Ministério da Saúde. O órgão é responsável por fiscalizar e deliberar ações da pasta, além de aprovar o orçamento da Saúde e acompanhar a sua execução.

Na semana passada, a Anvisa seguiu recomendando a vacinação para os jovens sem comorbidades. A posição está de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), que reconhece ser necessário imunizar essa faixa etária para controlar a pandemia, desde que grupos de maior risco já tenham sido contemplados. Ela orienta também aplicação da Pfizer.

Diversos órgãos e sociedades médicas já reforçaram que a vacinação é, sim, segura para pessoas com 12 anos ou mais. Inclusive, diversos países estão vacinando seus adolescentes e crianças, como os EUA, a França e a Alemanha.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado, Eduardo Paes (PSD) é prefeito do Rio de Janeiro, e não governador. A informação foi corrigida.

Coronavírus