Operação Lava Jato

Peru oferece recompensa a quem ajudar na captura de ex-presidente

Em Lima

  • Karel Navarro/AP

O Peru ofereceu uma recompensa de 100.000 soles (US$ 30 mil ou R$ 93 mil) a quem oferecer informações sobre o paradeiro do ex-presidente Alejandro Toledo, com ordem de prisão, acusado de receber subornos da construtora brasileira Odebrecht em troca de obras.

"Há uma recompensa de 100.000 soles que serão pagos a qualquer país do mundo", afirmou à imprensa o ministro do Interior, Carlos Basombrío, que pediu à Interpol que atue com maior rapidez possível.

Aos 70 anos, Toledo está a ponto de virar o segundo ex-presidente peruano nas últimas três décadas a ser levado para a prisão por um caso de corrupção, depois de Alberto Fujimori, de quem foi um ferrenho opositor.

Toledo, que governou o país entre 2001 e 2006, é acusado pelo ex-representante da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, de ter recebido 20 milhões de dólares para ajudar a empreiteira a vencer a licitação da obra de uma rodovia que liga o Peru ao Brasil.

"Se dita a prisão preventiva ao investigado Alejandro Toledo Manrique por um prazo de 18 meses. Como se encontra em liberdade se cursa os ofícios correspondentes para a imediata localização, captura e reclusão", anunciou o juiz da Sala Penal Nacional, Richard Concepción.

O magistrado determinou que o ex-presidente seja localizado tanto a nível nacional como internacional, via Interpol.

O prazo de prisão começará a ser contado a partir do momento em que Toledo for detido. Há alguns dias, o ex-presidente estava em Paris e, apesar de continuar no exterior, seu paradeiro exato é desconhecido.

O advogado Heriberto Benítez anunciou que apelará contra a decisão judicial. Ele havia solicitado a emissão apenas de uma ordem de comparecimento durante a investigação por considerar que a detenção sem uma sentença é uma violação aos seus direitos. Ele recomendou a Toledo que não retorne ao país por falta de garantias no processo.

Depois de tomar conhecimento da decisão do juiz, o Conselho de Ministros anunciou que se nas próximas horas o paradeiro do ex-presidente não for conhecido, a Comissão de Recompensas para procurados por delitos graves o incluirá em sua lista. O organismo também se prepara para um possível pedido de extradição.

"Toledo vendeu a estrada"

Em uma entrevista recente exibida na TV, o ex-presidente negou todas as acusações e disse que é vítima de perseguição pelo combate a Fujimori. Mas para o juiz, "Toledo vendeu a rodovia interoceânica por pagamentos de Odebrecht".

Concepción destacou que para ordenar a detenção de Toledo "não se exige certeza, e sim a existência de um alto grau de probabilidade sobre os atos que se imputam".

O processo judicial responde apenas a uma investigação preparatória, que depois servirá para analisar os delitos em um julgamento.

- Procuradoria -O gestor da medida foi o procurador da unidade de combate à corrupção Hamilton Castro. Entre outras coisas, o caso é sustentado pelo depoimento do ex-representante da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, que fez um acordo com a justiça e delatou o ex-governante e seu amigo Josef Maiman. O dinheiro teria sido depositado em contas offshore de ambos.

De acordo com o procurador, o pedido inicial de Toledo era de US$ 35 milhões, mas a empresa lhe pagou somente US$ 20 milhões. Embora a empresa tenha ganhado a licitação para construir a rodovia, Toledo não modificou as bases do concurso para prejudicar seus concorrentes.

Castro explicou durante audiência na quinta-feira que o suborno foi pago em 18 partes - entre junho de 2006 e junho de 2010 -, mesmo depois de Toledo ter deixado o cargo.

O dinheiro foi depositado para uma empresa offshore, a Ecoteva, formada pela Maiman e pela sogra de Toledo, Eva Fernenbug, na Costa Rica. Dali foram feitas as transferências para o pagamento de hipotecas e de propriedades no Peru, segundo o MP.

O caso da Ecoteva já era investigado pela Justiça há vários anos, mas não se pôde determinar de onde foi obtido o dinheiro. Com a confissão da Odebrecht, o círculo se fecha.

Explosão Odebrecht

Toledo admitiu que seu amigo Maiman lhe emprestou dinheiro para os imóveis, sem saber sua origem. Em uma primeira versão, o ex-presidente assegurava que o dinheiro para seus imóveis vinha de um empréstimo de sua sogra por uma indenização após o Holocausto nazista. Essa afirmação foi logo desmentida.

A Odebrecht reconhece que pagou US$ 29 milhões no Peru ilegalmente entre 2005-2014, período que corresponde aos governos de Toledo, Alan García (2006-2011) e Ollanta Humala (2011-2016).

Até agora, há três ex-funcionários do governo de García na prisão, entre eles um vice-ministro de Comunicações e sua namorada - todos eles por, supostamente, aceitarem um suborno de US$ 7 milhões para favorecer a empreiteira com a obra da Linha 1 do Metrô de Lima.

Já Humala e sua mulher, Nadine Heredia, que enfrentam restrições para sair do país, são investigados por lavagem de ativos por financiarem sua campanha eleitoral com dinheiro procedente da Venezuela e do Brasil.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos