Topo

ONG divulga imagens de etnia isolada e ameaçada por madeireiros no Brasil

São Paulo

22/07/2019 12h31Atualizada em 22/07/2019 18h11

Uma associação de cineastas indígenas divulgou um vídeo que mostra indígenas da etinia awá, que vive isolada na Amazônia e é cada vez mais ameaçada pela ação de madeireiros.

No vídeo de 58 segundos produzido pela Mídia Índia e divulgado nesta segunda-feira pela organização não governamental britânica Survival International, um homem jovem aparece entre as árvores, com o peito nu, usando colares e segurando um facão na mão. Fora do quadro há outra pessoa com flechas.

De repente, o jovem olha para a câmera, num gesto que parece indicar que ele percebeu que não está sozinho, e ambos vão na direção oposta àqueles que filmam.

O autor das imagens, Flay Guajajara, pertence à etnia Guajajara, que vive em aldeias ao redor do território dos awá, no estado do Maranhão. Vários guajajaras formaram o grupo "Guardiões da Floresta", que tenta defender territórios ameaçados pelo avanço das atividades agrícolas e extrativistas.

Os guardiões tornaram-se de fato protetores dos awás, um dos mais de cem povos isolados na Amazônia brasileira, geralmente com algumas dezenas de membros. É a maior concentração do gênero no mundo.

Os indígenas isolados são definidos pela Funai (Fundação Nacional do Índio) como "grupos indígenas com ausência de relações permanentes com as sociedades nacionais ou com pouca frequência de interação, seja com não índios, seja com outros povos indígenas".

"Esperamos que esse filme traga um resultado positivo e faça uma repercussão internacional com um olhar voltado para a questão de proteger um povo, uma floresta, uma nação, uma terra e uma história", disse o autor das imagens, Flay Guajajara, citado pela Survival International.

"A gente não tinha autorização para gravar, mas a gente sabe da importância de usar essa imagem dos awás porque se a gente não divulgar isso para o mundo eles vão acabar sendo assassinados pelos madeireiros. Há uma necessidade de mostrar que eles existem e que estão correndo risco de vida", afimou Erisvan Guajajara, porta-voz da Mídia Índia.

Guajajara explicou que estavam caçando em um território perto de suas aldeias quando viram os awás e decidiram filmá-los.

"Estamos usando essa imagem para pedir ajuda", disse Erisvan Guajajara.

Há um temor entre ativistas e ONGs de que a situação dos territórios indígenas pode se complicar com o governo do presidente Jair Bolsonaro, que tem forte apoio do agronegócio.

Bolsonaro voltou a afirmar na sexta-feira durante uma coletiva de imprensa com correspondentes estrangeiros que "vocês [estrangeiros] querem que o índio continue como o homem pré-histórico, que não tem acesso à tecnologia, à ciência, às mil maravilhas da modernidade. A maior parte da comunidade estrangeira não está preocupada com os direitos humanos dos índios".

Ele também questionou os dados sobre o desmatamento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O instituto informou que em junho o desmatamento da Amazônia Legal aumentou 88% em relação ao mesmo mês de 2018.

Meio Ambiente