PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
3 meses

Ministro da Ucrânia pede que lugar seja "reservado" na União Europeia ao país

Kuleba: "Não falamos de uma adesão da Ucrânia à UE o mais rápido possível, mas é importante que nos reservem este lugar" - MURAD SEZER/REUTERS
Kuleba: "Não falamos de uma adesão da Ucrânia à UE o mais rápido possível, mas é importante que nos reservem este lugar" Imagem: MURAD SEZER/REUTERS

Em Berlim

12/05/2022 07h03

O ministro ucraniano das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, pediu hoje que um lugar seja "reservado" para seu país dentro da UE (União Europeia), embora as negociações para uma adesão sejam longas.

"Ouvimos com frequência que a Ucrânia pertence à família europeia e é importante reservar este lugar para o país dentro da UE", declarou à emissora pública de televisão alemã ARD.

"Não falamos de uma adesão da Ucrânia à UE o mais rápido possível, mas é importante que nos reservem este lugar", insistiu Kuleba.

Kiev apresentou sua candidatura para uma adesão à UE em 28 de fevereiro, poucos dias depois da invasão russa, mas alguns países expressam dúvidas a respeito.

O presidente francês, Emmanuel Macron, considerou na segunda-feira que seriam necessárias "décadas" para que um país como a Ucrânia possa aderir à UE, mas sugeriu que Kiev passe a integrar uma "comunidade política europeia", que poderia contar, inclusive, o Reino Unido, que saiu da UE em 2020. A ideia recebeu o apoio do chanceler alemão, Olaf Scholz.

Internacional