Conteúdo publicado há 1 mês

Maduro anuncia retorno de escritório de Direitos Humanos da ONU à Venezuela após expulsão

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta terça-feira (23) o retorno ao país do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, expulso em fevereiro após expressar preocupação com a prisão de uma ativista humanitária.

Maduro fez o anúncio acompanhado pelo procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, que está investigando a Venezuela por possíveis crimes contra a humanidade, e celebrou a reabertura da delegação.

"Recebi a proposta de convidar novamente a abertura do escritório do alto comissário para os direitos humanos da ONU, Volker Türk, para estar em nosso país, na Venezuela. Concordo, vamos superar as diferenças, o conflito que tivemos", disse Maduro em um ato junto com Khan no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas.

"Estou preparado para receber o enviado Volker Türk", acrescentou.

Khan, que abriu nesta terça-feira um escritório da procuradoria do TPI em Caracas, afirmou estar "muito grato" a Maduro por ter "expressado às minhas instâncias seu compromisso de permitir que o escritório do Alto Comissariado da ONU retorne à Venezuela".

"Creio que é algo muito positivo e que deve ser celebrado, algo que deve ser enfatizado em sua importância", continuou.

O alto comissariado expressou "profunda preocupação" com a detenção em fevereiro de Rocío San Miguel, uma especialista em assuntos militares, acusada de terrorismo por seus supostos vínculos com um plano para assassinar Maduro.

O governo condenou a reação e acusou na época o escritório de "se tornar a firma de advocacia particular do grupo de golpistas e terroristas".

Deixe seu comentário

Só para assinantes