Topo

Após bloqueio no Orçamento, Bolsonaro promete não deixar obra parada no país

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de inauguração do Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista (BA) - Eliezer Oliveira/Futura Press/Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de inauguração do Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista (BA) Imagem: Eliezer Oliveira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Felipe Frazão, enviado especial

Vitória da Conquista

23/07/2019 14h32

O presidente Jair Bolsonaro prometeu nesta terça-feira (23) não deixar mais obras paradas no país, mas afirmou que não vai aplicar recursos no que considera projetos com fins eleitorais.

"Obras eleitoreiras não acontecerão mais a partir do meu governo", disse Bolsonaro durante ato de inauguração do aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista (BA).

Na véspera, o governo Bolsonaro anunciou um bloqueio adicional de R$ 1,4 bilhão no Orçamento e revisou a previsão de crescimento da economia de 1,6% para 0,8%. Falando a apoiadores que o aguardavam confinados numa espécie de comício do lado de fora do aeroporto, o presidente admitiu "dificuldades" da economia.

"Nosso governo não tem muitos recursos. O Brasil está com dificuldades, mas o pouco que temos muito bem empregaremos", disse Bolsonaro, usando no palanque um chapéu de vaqueiro.

A construção do aeroporto foi realizada com recursos do governo federal e do governo do estado da Bahia. O custo foi de R$ 105,8 milhões --sendo R$ 74,6 milhões repassados pela União. A autorização e o envio dos recursos ocorreram em governos do PT.

Como o presidente decidiu participar do evento, o Palácio do Planalto assumiu a organização e forneceu um número reduzido de convites ao governo baiano (100 de um total de 600 convidados), o que causou atrito com o governador Rui Costa (PT).

O petista desistiu de ir à cerimônia pública e não autorizou que a Polícia Militar fosse empregada na segurança --feita, por consequência, pelo Exército, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Governador da Bahia veta PM em evento com Bolsonaro

UOL Notícias

"Não é uma obra minha, nem de qualquer outro presidente ou qualquer governador. É uma obra feita com dinheiro do povo brasileiro", disse Bolsonaro. "Lamento muito o governador não estar aqui, afinal de contas ele estaria ao lado do seu povo. Nós não temos qualquer preconceito. Não queremos dividir partidos. Não aceitamos, obviamente, o socialismo e o comunismo. Não admitimos mudar a cor da nossa bandeira. Não podemos admitir qualquer partido que queira solapar os valores familiares. Não podemos admitir quem queira deixar de lado, desrespeitar religiões. O Estado é laico, mas nós somos cristãos", discursou o presidente, a uma plateia fechada.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, o aeroporto será aberto para voos comerciais na quinta-feira, dia 25, e beneficiará cerca de 2,3 milhões de pessoas da região.

Governo Bolsonaro