PUBLICIDADE
Topo

Doria almoça com Witzel e diz que país deve reposicionar política ambiental

João Doria, governador de São Paulo, participa de vídeo com o governador do RJ, Wilson Witzel - Reprodução/Twitter
João Doria, governador de São Paulo, participa de vídeo com o governador do RJ, Wilson Witzel Imagem: Reprodução/Twitter

Denise Luna

Rio

23/02/2020 17h58

O Brasil precisa se reposicionar em relação à política ambiental pregada pelo atual governo, sob o risco de ficar cada vez mais fora da mira dos investidores internacionais, afirmou neste domingo o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), após almoço com o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

Segundo ele, que esteve no último Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o ministro da Economia, Paulo Guedes, "foi muito emparedado por falta de uma política ambiental adequada, e se o Brasil não tiver um reposicionamento na questão ambiental, os investimentos ficarão cada vez mais distantes, mais difíceis".

Doria disse que vê com preocupação o fraco desempenho da economia brasileira e que se não fosse o desempenho da economia de São Paulo, capitaneada pelo ex-ministro Henrique Meirelles, o resultado seria ainda pior.

"Sem o crescimento de São Paulo a economia teria crescido 0,38% e não o 0,89% divulgado pelo Banco Central", afirmou em relação ao Produto Interno Bruto (PIB).

Manifestações no dia 15

O governador de São Paulo classificou de "inoportuna" a convocação de uma manifestação em defesa do presidente Jair Bolsonaro e contra supostas chantagens do Congresso no dia 15 de março. A mobilização de apoiadores do presidente ocorre após o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, criticar o Congresso, acusando-o de chantagem.

Doria, que é apontado como um dos possíveis candidatos à Presidência da República em 2022, disse ver com "muita preocupação" a convocação, afirmando ainda que o País não pode viver uma escalada de autoritarismo e que tem de haver respeito pelos três poderes que governam o Brasil.

"Não vivemos uma escalada de autoritarismo, vivemos numa democracia e o regime democrático prevê respeito pelos poderes, e nós (governadores) representamos o Poder Executivo. Ele (Bolsonaro) tem que representar o que uma República, uma democracia espera de um presidente da República", afirmou Doria ao lado de ex-assessores da campanha eleitoral de Bolsonaro, o empresário Paulo Marinho e Gustavo Bebiano, filiado ao PSDB para fortalecer o partido no Rio de Janeiro.

Política