PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Papa Francisco celebra audiência sem fiéis pela primeira vez

O papa Francisco celebra cerimônia na Biblioteca do Palácio Apostólico, longe dos fieis, como medida para evitar novas transmissões do novo coronavírus - Divulgação Vaticano/AFP
O papa Francisco celebra cerimônia na Biblioteca do Palácio Apostólico, longe dos fieis, como medida para evitar novas transmissões do novo coronavírus Imagem: Divulgação Vaticano/AFP

11/03/2020 08h37

O papa Francisco celebrou pela primeira vez na história sua tradicional audiência geral, que acontece todas as quartas-feiras, no Vaticano, sem a presença de fiéis.

Ao invés da Praça São Pedro, fechada por conta da epidemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) na Itália, o líder da Igreja Católica rezou a missa na Biblioteca do Palácio Apostólico, onde ele já havia celebrado o Angelus no último domingo (8).

Transmitida online, a audiência contou com a presença apenas dos sacerdotes que leem a palavra e a catequese em diversos idiomas.

"Neste momento, gostaria de me dirigir a todos os doentes que contraíram o vírus e a todos que sofrem com as incertezas relativas às suas próprias doenças. Agradeço de coração aos médicos, enfermeiros, enfermeiras e voluntários. Estou ao lado das pessoas que sofrem", disse o Papa.

O novo coronavírus já contaminou mais de 10 mil pessoas na Itália e matou pelo menos 631. O Vaticano, por sua vez, contabiliza um caso de contágio confirmado.

Francisco, no entanto, fez um apelo para que a epidemia não leve a humanidade a se esquecer dos "pobres sírios que estão sofrendo na fronteira entre Grécia e Turquia". "Eles precisam fugir da guerra, da fome, da doença. Não esqueçamos os irmãos, as irmãs e as tantas crianças que sofrem ali", declarou.

A fronteira greco-turca é palco de uma nova crise humanitária após Ancara ter dado passagem para refugiados sírios como forma de pressionar a União Europeia a ajudar as forças da Turquia contra a ofensiva do regime de Bashar al Assad na província de Idlib, dominada por rebeldes.

Coronavírus