PUBLICIDADE
Topo

Internacional

'Atacamos a França, não foi pessoal', diz terrorista de Paris

13.nov.2016 - Homem deixa flores sob placa de lembrança de atentado terrorista próximo ao restaurante La Belle Equipe, em Paris - Benoit Tessier/Reuters
13.nov.2016 - Homem deixa flores sob placa de lembrança de atentado terrorista próximo ao restaurante La Belle Equipe, em Paris Imagem: Benoit Tessier/Reuters

15/09/2021 10h03

O terrorista Salah Abdeslam, único sobrevivente entre os autores materiais dos atentados de 13 de novembro de 2015, em Paris, disse nesta quarta-feira (15) que os ataques foram uma retaliação pelos bombardeios contra o Estado Islâmico (EI).

"Nós atacamos a França, miramos a população, os civis, mas não era nada de pessoal. O objetivo não é colocar uma faca na ferida, mas sim ser sincero", declarou o franco-marroquino durante o processo em Paris contra 20 réus por envolvimento nos atentados.

Abdeslam é o único deles que participou ativamente dos ataques em 13 de novembro de 2015, mas, ao contrário de seus comparsas naquela noite, não detonou o próprio corpo como estava planejado e acabou preso.

Em seu julgamento, o terrorista argumentou que os aviões franceses que bombardeavam o Estado Islâmico "não faziam distinção entre homens, mulheres e crianças". "Queríamos fazer a França sofrer a mesma dor que nós sofremos", acrescentou.

Dos outros 19 réus no processo, 10 estão em prisão preventiva, enquanto três respondem em liberdade, todos eles acusados de dar suporte financeiro e logístico aos terroristas. Seis pessoas ainda serão julgadas em contumácia, sendo que algumas delas já teriam morrido na Síria ou no Iraque.

Iniciado em 8 de setembro, o julgamento é descrito pela imprensa local como o maior na história moderna da França e deve durar pelo menos nove meses, envolvendo cerca de 330 advogados e 1,8 mil sobreviventes e parentes das vítimas.

Os atentados de 13 de novembro deixaram 130 mortos na casa de shows Bataclan, em bares e restaurantes do 10º e do 11º arrondissements de Paris e nos arredores do Stade de France, em Saint-Denis, cidade satélite da capital francesa.

Internacional