Obama manifesta a Xi seu "firme" apoio aos direitos humanos na China

  • Xinhua/Pang Xinglei

    Obama se encontrou com presidente chinês Xi Jinping antes da cúpula do G20

    Obama se encontrou com presidente chinês Xi Jinping antes da cúpula do G20

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reiterou neste sábado ao chefe de Estado chinês, Xi Jinping, seu "firme" apoio aos direitos humanos na China, quando o país asiático vive a pior onda de repressão desde o fim dos anos 1980.

O governante americano fez menção a um dos temas mais espinhosos da relação entre os dois países durante a reunião que ambos os líderes realizaram na cidade chinesa de Hangzhou, antes da cúpula do G20 que começa neste domingo. Os dois países ainda assinaram o acordo de Paris sobre as mudanças climáticas.

Obama ressaltou que é necessário que a China proteja a liberdade religiosa de "todos os seus cidadãos", depois das políticas controversas que Xi Jinping empreendeu desde que chegou ao poder, como a retirada de cruzes de igrejas no leste do país e as prisões de líderes religiosos acusados de "subversão".

Xi, por sua vez, disse que nenhum país deve interferir em seus assuntos internos em nome dos direitos humanos e disse a Obama que Pequim "garante a liberdade de credo de acordo com a lei".

"As conquistas da China na causa dos direitos humanos são óbvias para todos", disse o presidente da China, que acrescentou que seu país está disposto a dialogar sobre este assunto, segundo os princípios de igualdade e respeito mútuo.

Recentemente, alguns dissidentes chineses conhecidos, como o advogado Tengc Biao, se reuniram em Washington com a conselheira de Segurança Nacional dos EUA, Susan Rice, para pedir a Obama que denunciasse a perseguição contra críticos do regime chinês e pedisse a libertação de presos políticos, como Liu Xiaobo, detido desde 2009.

No entanto, o líder americano não citou hoje nenhum nome nessa reunião, nem sequer o de Liu, que recebeu o prêmio Nobel da Paz um ano depois do próprio Obama.

Os dissidentes e ativistas que não acabaram na prisão, por sua vez, esperavam com entusiasmo a chegada de Obama, que faz sua última viagem à Ásia como presidente. No entanto, nenhum deles poderá chegar perto do líder americano, pois a polícia fez uma onda de detenções e forçou muitos deles a viajar para evitar qualquer protesto durante a cúpula, segundo a organização Chinese Human Rights Defenders.

Hu Jia, famoso ativista dos direitos humanos na China, disse à Agência Efe que foi obrigado a viajar e frisou que o regime chinês situa a luta contra o terrorismo no mesmo nível de seu combate à dissidência, especialmente quando Obama está presente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos