PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Máscaras contra coronavírus poluem praias e trilhas de Hong Kong

Gary Stokes, fundador do grupo pela conservação marinha OceansAsia, mostra máscaras coletadas em praia de Hong Kong - REUTERS
Gary Stokes, fundador do grupo pela conservação marinha OceansAsia, mostra máscaras coletadas em praia de Hong Kong Imagem: REUTERS

Da Reuters, em Hong Kong

12/03/2020 12h35

Máscaras descartadas estão se amontoando nas praias e trilhas naturais de Hong Kong, e grupos ambientalistas estão alertando que esse lixo representa uma grande ameaça à vida marinha e aos habitats dos animais selvagens.

Há semanas, a maioria dos 7,4 milhões de habitantes de Hong Kong vem usando máscaras descartáveis todos os dias na esperança de evitar o coronavírus, que já infectou 126 pessoas na cidade e matou três delas.

Mas muitas máscaras não são descartadas devidamente, e vêm aparecendo amontoadas no interior ou no mar, onde a vida marinha pode confundi-las com comida, terminando nas praias ao lado das sacolas plásticas de praxe e outros tipos de detrito.

Os grupos ambientalistas, que já lutam contra o fluxo de lixo marinho da China continental e de outras partes, dizem que as máscaras usadas para se proteger do coronavírus e descartadas agravaram o problema e ainda provocaram preocupação com a disseminação de germes.

"Só tivemos máscaras nas últimas seis a oito semanas, um volume enorme... agora estamos vendo o efeito no meio ambiente", disse Gary Stokes, fundador do grupo ambientalista Oceans Asia.

Stokes citou o exemplo das ilhas hongueconguesas isoladas e desabitadas de Soko, localizadas ao sul do aeroporto internacional.

Ele disse que inicialmente encontrou 70 máscaras descartadas em um trecho de praia de 100 metros, e que quando voltou, uma semana depois, havia mais de 30 outras.

"Isso foi bastante alarmante para nós."

Outras praias ao redor da cidade contam uma história parecida, acrescentou.

Meio Ambiente