PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Paris: Ataque foi "ato de terrorismo islâmico", diz ministro do interior

25.set.2020 - Ataque a faca deixou feridos perto da antiga sede do Charlie Hebdo, em Paris  - Gonzalo Fuentes/Reuters
25.set.2020 - Ataque a faca deixou feridos perto da antiga sede do Charlie Hebdo, em Paris Imagem: Gonzalo Fuentes/Reuters

25/09/2020 16h59Atualizada em 26/09/2020 10h19

O ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, disse na noite desta sexta-feira (25) que o ataque diante da antiga sede do jornal satírico Charlie Hebdo no final da manhã deixando dois feridos tem todos os indícios de um atentado terrorista perpetrado por radicais islâmicos. Além de dois homens presos logo após o episódio, outras cinco pessoas foram detidas para interrogatórios.

"É na rua onde ficava Charlie Hebdo, é o modo de ação de terroristas islâmicos. Evidentemente isso deixa pouca dúvida. É um novo ataque sangrento em nosso país", disse Darmanin durante entrevista ao principal telejornal do canal público France 2.

O ministro também falou sobre o principal suspeito, um jovem paquistanês de 18 anos detido logo após o ataque, que tinha passagem pela polícia. Darmanin confirmou que se trata de um paquistanês que entrou na França há três anos e foi reconhecido como menor desacompanhado, um status que faz com que os migrantes sejam protegidos pelo Estado até atingirem a maioridade.

O ministro disse que ele não era fichado como radical islâmico. "Ele não era registrado especificamente como Ficha S ou FSPRT [códigos dados aos indivíduos que apresentam sinais de radicalismo religioso ou de caráter terrorista]". No entanto, Darmanin confirmou, que já havia disso divulgado durante a tarde, que o suspeito foi detido há um mês por porte ilegal de arma (uma chave de fenda). Mas como ainda era menor, foi liberado.

O ministro não confirmou se o jovem confessou ser o autor do ataque desta sexta-feira. "Uma investigação da procuradoria antiterrorista está em andamento e não cabe a mim comentar", disse Darmanin.

Um segundo homem foi preso logo após o ataque e está sendo ouvido pela polícia. No final do dia, outros cinco homens, com idades entres 24 e 37 anos, foram detidos para averiguação, como parte da investigação antiterrorismo aberta após o atentado.

O ataque aconteceu às 11h45 pelo horário local, 6h45 em Brasília. Um homem - segundo testemunhas o jovem paquistanês detido em seguida - feriu com um arma branca duas pessoas, uma delas gravemente. Ele estava munido de um objeto apresentado como sendo um machadinha ou um facão de açougueiro. As duas vítimas seguem hospitalizadas.

A agressão aconteceu em frente às antigas instalações do jornal satírico Charlie Hebdo, no 11° distrito da capital. O crime ocorre no mesmo momento em que a França julga onze acusados de cumplicidade no atentado terrorista que deixou 12 mortos na redação do semanário satírico em 7 de janeiro de 2015.

Ao comentar o ataque desta sexta-feira, o ministro do Interior disse que o governo "subestimou a ameaça" que pairava na rua da antiga sede do Charlie Hebdo, onde uma produtora, especializada em reportagens de investigação, funciona atualmente. As duas vítimas eram funcionários dessa mesma produtora.

Internacional