Conteúdo publicado há 2 meses

'Pedra no sapato' de Putin: russas pedem o retorno dos homens em missão na Ucrânia

A única 'pedra em seu sapato': as mães, esposas e irmãs dos mobilizados na guerra na Ucrânia, algumas das quais ousam pedir o retorno de seus filhos, maridos e irmãos. A correspondente da RFI em Moscou, Anissa El Jabri, obteve uma entrevista exclusiva com uma delas.

"É um protesto silencioso, mas real, em uma Rússia que está fechada. É um grito que conseguiu se fazer ouvir - uma ocorrência rara. Só ouvimos falar dele no mês passado, mas o protesto contra o que alguns chamaram de "mobilização infinita" começou na primavera deste ano", diz Olga, 25 anos (o nome foi alterado e nenhum outro detalhe biográfico pode ser fornecido por motivos óbvios de segurança), companheira de um soldado mobilizado que a RFI conseguiu contatar depois de semanas tentando abordá-la.

"Escrevemos cartas para deputados em massa e tentamos todas as formas possíveis de interagir com as autoridades. Algumas das meninas organizaram um grupo de discussão com representantes do governo e deputados e, naquele momento, algumas delas foram informadas de que 'se vocês forem construtivas, se ajudarem o Ministério da Defesa a recrutar, só então, talvez, seus homens voltem'. Essa era a lógica deles", contou Olga.

"Quando você é afetado pessoalmente, seus olhos se abrem ainda mais".

Oficialmente, nenhuma dessas mulheres questiona a decisão de Vladimir Putin de enviar seus soldados para a Ucrânia. Olga, não: "Sempre fui contra isso", ela nos diz por meio de um aplicativo de mensagens seguro. "Mas, obviamente, quando você é afetado pessoalmente, seus olhos se abrem ainda mais; especialmente quando não são mais os soldados profissionais que estão lutando, mas a população civil que está sendo chamada, quando você fica sabendo de todos os tipos de detalhes chocantes sobre o que está acontecendo por lá".

Quatorze meses atrás, Olga tentou dissuadir seu companheiro de atender ao chamado para fugir para o Cazaquistão, por exemplo: "Ele não foi lutar pelo dinheiro", explica ela, mas "porque, como todo mundo, ele estava apavorado com a ideia de um possível processo criminal. Todos tinham medo de ter que deixar seus empregos, esconder-se em algum lugar, sem saber quanto tempo isso duraria, se haveria uma anistia no final ou não. Não estava claro como os tribunais reagiriam. De qualquer forma, ele já havia recebido sua intimação".

Mães, irmãs, esposas ou companheiras, todas as suas tentativas de se encontrarem neste outono foram recusadas ou canceladas pelas autoridades, exceto em Novosibirsk, onde a reunião foi fechada para a imprensa e nada foi filtrado das trocas de mensagens que, ao que parece, foram supervisionadas de perto.

Em 7 de novembro, alguns deles chegaram ao ponto de aparecer em um comício ao ar livre do Partido Comunista em Moscou com cartazes. Nenhuma das mensagens desafiava o que as autoridades ainda chamam de "operação especial", mas simplesmente pediam o retorno dos homens. Como quase sempre acontece na Rússia, foram necessários apenas alguns minutos para que a polícia interviesse e acabasse com o movimento, mas nenhuma prisão foi feita. O comunista Gennady Zyuganov prometeu-lhes ajuda, mas também disse: "Se os nazistas vencerem, nem você, nem eu estaremos vivos para discutir isso.

A diferença de status

Desde o outono, a raiva contra a mobilização também aumentou devido à diferença de status em relação aos prisioneiros alistados no exército: eles assinam contratos e, ao final de seu compromisso, podem voltar para suas casas. É claro que é muito menos provável que eles permaneçam vivos", diz Olga, "mas canibais e estupradores estão sendo libertos agora.

Continua após a publicidade

Esses protestos são impossíveis de quantificar, mas as autoridades estão tentando reprimi-los de todas as formas possíveis. Com alguns incentivos escassos, como permissões, mas, acima de tudo, usando coerção: "Por que esta entrevista tem de ser anônima?", insiste Olga. "Se tudo estivesse bem, eu poderia falar com vocês abertamente; mas cada uma de nós está agora sob imensa pressão, com o risco de acusações criminais, mesmo para as mais ativas entre nós. Nossos homens também estão sendo convocados. Eles estão sendo ameaçados e orientados a mandar suas esposas calarem a boca".

Para eles, as ligações da polícia estão se multiplicando, assim como as convocações para a delegacia de polícia para uma "conversa" e as investigações ostensivas da vizinhança. Infiltrados em seus canais do Telegram, os "trolls" são soltos. "Os patriotas Z (como são chamados os ativistas pró-guerra) escrevem que somos todos prostitutas, traidoras de nosso país, escrevem abertamente que devemos ser enforcados, atropelados, que eles encontrarão cada um de nós e nos matarão".

"Quanto aos liberais, eles nos perguntam onde estivemos até agora, o que fizemos quando Boris Nemtsov foi assassinado (um opositor morto em 2015 a poucos passos do Kremlin), em quem votamos até agora. Não consigo me lembrar da última vez que consegui dormir bem, mas já faz muito tempo", sofre a mulher.

De qualquer forma, até o momento, as autoridades fecharam a porta para essas alegações: os homens mobilizados ficarão até o fim dos combates, repetiram o Kremlin e o Ministério da Defesa.

Há oito dias, Vladimir Putin também estabeleceu uma meta de aumento de 15% no efetivo do exército. Olga ainda espera ser ouvida pelo Chefe de Estado. O presidente russo se dirigirá ao país em uma coletiva de imprensa na próxima quinta-feira (14). Ele também aproveitará a oportunidade para responder aos apelos dos cidadãos que foram devidamente selecionados com antecedência.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora