PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

Weintraub foge da Justiça com ajuda de Bolsonaro

Conteúdo exclusivo para assinantes
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

20/06/2020 14h07

Queiroz está preso, mas Abraham Weintraub conseguiu fugir da Justiça, com a ajuda de Bolsonaro, e um passaporte diplomático a que todos os ministros têm direito.

Com as fronteiras dos Estados Unidos fechadas para brasileiros comuns, por causa da pandemia fora de controle, Weintraub entrou no país ainda como ministro da Educação do Brasil, graças ao atraso da publicação da sua exoneração no Diário Oficial da União

Numa legítima operação mafiosa, o presidente brasileiro esperou o ex-ministro desembarcar em Miami, para consumar sua demissão numa edição extra do DOU na manhã deste sábado.

Weintraub anunciou sua decisão de sair do país às pressas, no mesmo dia em que foi demitido, alegando que vinha sofrendo ameaças.

Sim, estava mesmo sendo ameaçado, mas não pelos "comunistas", que via por toda parte. Estava era ameaçado de ser preso pela Justiça, acusado por crime de racismo e investigado no processo sobre as fake news.

Na mesma sexta-feira do seu embarque para Miami, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) e parlamentares do PT protocolaram no STF um pedido de apreensão do seu passaporte para evitar que ele saísse do Brasil, o que apressou a sua fuga.

A assessoria de imprensa do MEC limitou-se a informar que Weintraub viajou num vôo comercial e "comprou a passagem com dinheiro dele".

Que maravilha! Só faltava ele ter fugido num jatinho particular e com despesas pagas pelo governo.

"A fuga em tempo recorde é confissão de culpa. Não pode ficar impune", tuitou a deputada Érika Kokay (PT-DF). E é exatamente disso que se trata.

Para o senador Humberto Costa (PT-PE), "houve gestão deliberada do governo Bolsonaro para obstruir a Justiça e evitar eventual prisão".

Será que a Interpol já foi comunicada? Terá o Banco Mundial informações sobre o prontuário do fugitivo, que foi indicado pelo governo brasileiro para uma diretoria do órgão multilateral em Washington?

Até a equipe econômica de Paulo Guedes já está preocupada com os vexames que ele pode dar, prejudicando a imagem do país, que já não é das melhores.

Com um salário mensal quatro vezes maior do que o de ministro, se ele conseguir ser aprovado pelos demais países do bloco do Brasil, o sociopata Weintraub terá agora um palco internacional para mostrar o alto nível dos ministros do nosso desgoverno.

Se ele falar inglês com o mesmo domínio que tem da língua portuguesa, vai ser bem divertido.

Bom final de semana a todos.

Vida que segue.