PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

No Brasil das mil mortes por dia, governo comemora vitória

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

22/08/2020 15h33

Atenção, essa não é uma fake news, nem intriga dos antifascistas: o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participa nesta segunda-feira (24) do evento "Encontro Brasil vencendo a Covid-19, que será realizado no Palácio do Planalto, informa meu colega Felipe Amorim do UOL, em Brasília.

Dá para acreditar que no país onde continuamos perdendo mil vidas por dia, em que a tragédia da pandemia está longe de acabar, as escolas continuam fechadas e famílias ainda choram seus mortos, o governo tenha a coragem de comemorar vitória? Contra quem?

Nem a Alemanha e a Nova Zelândia, países onde o vírus foi controlado, graças à ação competente de seus governos, tiveram coragem de fazer festa, e continuam tomando todos os cuidados para evitar a volta da doença.

A cerimônia macabra no Planalto está marcada para as 11 horas da manhã e será aberta à imprensa, com transmissão ao vivo pela TV Brasil, a emissora oficial do governo.

O general da Saúde, interino há mais de três meses, não deverá participar porque já tinha outro compromisso, mas o capitão estará lá para colher as glórias de ter conduzido o país à maior crise sanitária da sua história, com 113.482 mortes e mais de 3.5 milhões de infectados, superado apenas pelos Estados Unidos, de Donald Trump.

Será que o fracasso subiu à cabeça do presidente, que deixou de governar para fazer campanha pela reeleição, empolgado pela popularidade dos R$ 600 e embalado pelo Centrão velho de guerra, que finalmente chegou ao poder e vai abrilhantar a festa?

Ainda não está confirmada a presença do presidente da Embratur, o sanfoneiro oficial do bolsonarismo triunfante.

Para completar as comemorações, no dia seguinte será vez de Paulo Guedes anunciar novas bondades e planos miraculosos para criar empregos e tirar a economia do buraco, sem explicar de onde vai tirar o "dinheirinho" reclamado por Flávio Bolsonaro, o 01, que é um especialista no assunto em sua fantástica loja de chocolates.

Vai sobrar pra nós. Vem mais imposto por aí

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Balaio do Kotscho