PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bruno Covas trabalhou até morrer porque era o que o mantinha vivo

Apoiadores do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), dão seu adeus ao político, que morreu neste domingo - Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Apoiadores do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), dão seu adeus ao político, que morreu neste domingo Imagem: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

16/05/2021 15h46

Ao ler os comentários nas redes sociais sobre a morte de Bruno Covas, o jovem prefeito de São Paulo, eu me lembrei de uma entrevista do cardiologista Adib Jatene, então ministro da Saúde, no programa Roda Viva, da TV Cultura.

Para provocá-lo, perguntei-lhe se não tinha medo de morrer do coração, tão pesada era sua carga de trabalho, pois, além dos compromissos de ministro, ele continuava atendendo em seu consultório e fazendo cirurgias em São Paulo.

"Não, meu filho, o trabalho não mata ninguém. O que mata é a raiva, é a tristeza. É ser obrigado a fazer o que você não gosta e não poder fazer o que você gosta", respondeu-me ele, com um sorriso de velho sábio.

Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas que criticaram Bruno por ter-se candidatado à reeleição, mesmo sabendo da gravidade da doença que o acabaria matando.

Mal sabem elas que o que dá força para uma pessoa enfrentar o câncer é justamente continuar trabalhando, pois é isso que as mantem ligadas à vida, quando a gente faz o que gosta.

Foi o que procurei fazer nestes últimos dois meses em que também me submeti a um tratamento oncológico, com químio e radioterapia ao mesmo tempo.

Poucos foram os dias em que não consegui escrever esta coluna, depois de passar por duas cirurgias, e iniciar o tratamento no mesmo hospital de Bruno.

Entendi perfeitamente porque o prefeito continuou fazendo política até sua última semana de vida e ainda escreveu mensagens cheias de otimismo, mesmo nos piores dias.

Ele não queria desistir da vida e esse era o maior exemplo que poderia deixar para seu filho de 15 anos, que não saiu do seu lado no hospital.

O menino nunca vai esquecer do dia, no começo do ano, em que seu pai o levou para ver o Santos, a grande paixão dos dois, na final da Libertadores no Maracanã, outra decisão de Bruno criticada pelos comentaristas de internet que se julgam no direito de opinar sobre a vida dos outros, mesmo sem estar na pele deles.

Eu teria feito o mesmo agora com a minha neta Bebel, também de 15 anos, se o jogo fosse do São Paulo.

Se Bruno errou feio na escolha do seu vice, um desconhecido que nada tem a ver com ele, essa é outra historia, que deixo para os analistas políticos e os juízes da vida alheia.

Só entrevistei Bruno uma vez, quando trabalhava na Folha, na véspera da sua posse como prefeito, no lugar de João Doria, e saí da conversa com a melhor impressão do homem e do político, um sujeito franco e aberto, animado com o desafio que ele não esperava de governar tão cedo a maior cidade do país.

Topou na hora o convite que lhe fiz para fazer um passeio pelo centro da cidade, a pedido do fotógrafo, mas não consegui acompanhá-lo porque sou do tempo do avô dele, Mario Covas, que morreu da mesma doença, também em meio ao mandato, pouco depois de ser reeleito governador.

A gente nunca acha que vai morrer tão cedo... E nunca é tarde para viver.

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL