PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

Veja aqui de onde Bolsonaro pode tirar dinheiro para comprar absorventes

Ato em embaixada do Brasil em Paris usa absorventes para protestar contra Bolsonaro - Coletivo Alerta França Brasil/MD18 Ubuntu Audiovisual
Ato em embaixada do Brasil em Paris usa absorventes para protestar contra Bolsonaro Imagem: Coletivo Alerta França Brasil/MD18 Ubuntu Audiovisual
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

11/10/2021 12h30

"Se o Congresso derrubar o veto do absorvente, vou tirar dinheiro da saúde e da educação. Tem que tirar de algum lugar" (presidente Jair Bolsonaro, em passeio pela Praia Grande, no litoral paulista, durante o feriadão).

***

Para ajudar o governo neste momento difícil, listo abaixo algumas áreas de onde Bolsonaro poderia tirar dinheiro, sem cortar mais verbas da educação e da saúde.

* De parte dos R$ 15 bilhões do orçamento destinados a emendas parlamentares secretas (aliás, por que são secretas?).

* Da venda de refinarias e blocos de pré-sal da Petrobras.

* Dos salários dobrados dos milhares de militares que Bolsonaro levou para ocupar cargos civis no governo. Basta demiti-los todos e mandar de volta aos quartéis. Não farão falta.

* Deixar de usar o avião presidencial por pelo menos uma semana para economizar combustível e dinheiro das diárias da comitiva.

* Toda a verba que será economizada com a organização de motociatas pelo país, temporariamente suspensas.

* Dos impostos que deveriam ser cobrados sobre o dinheiro depositado nas offshores de Paulo Guedes & cia.

* Pedir um empréstimo ao Queiroz, que está solto, ou ao sorridente presidente da Caixa, que encaminha pedidos aos amigos de Michelle.

* Dos gastos com a organização de comícios pela reeleição em turnês pelo país.

* Cortar sumariamente todas as mordomias, penduricalhos e auxílios dos superfuncionários federais dos Três Poderes e das Forças Armadas, que ganham acima do teto constitucional.

* Da compra de leite condensado, picanha, cerveja e outros regalos da dispensa do Ministério da Defesa.

* Do dinheiro que será economizado com a proibição da distribuição do "kit covid", que não cura ninguém e ainda pode matar.

* Da venda de todos os carros oficiais, para depois empregar os motoristas em algum serviço público mais útil.

* Da redução dos gastos do cartão corporativo da Presidência, que também é secreto.

Com isso, daria não só para comprar os R$ 100 milhões em absorventes, segundo o projeto aprovado no Congresso, que seriam distribuídos para mulheres carentes e estudantes pobres, dinheiro de troco diante dos gastos inúteis do governo, mas também devolver os R$ 600 milhões cortados das pesquisas científicas e todas as verbas já tiradas dos orçamentos dos Ministérios da Saúde e da Educação para 2022, além de permitir o aumento do valor do Bolsa Família, com outro nome, e do salário mínimo.

E ainda sobraria muito dinheiro em caixa sem furar o teto de gastos. É só fazer as contas.

Para um presidente que é rejeitado por 59% dos eleitores, que não votariam nele de jeito nenhum, segundo o Datafolha, se tomasse essas medidas Bolsonaro poderia, de quebra, até melhorar um pouco a sua popularidade.

Esta "crise dos absorventes", para mim, é apenas mais um factoide presidencial, criado para ocupar espaço no noticiário durante o feriadão, na falta de um programa econômico para o pós-pandemia. Nem a milícia digital bolsonarista, sempre tão combativa, saiu em sua defesa.

Vida que segue.

*