PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Pedro Guimarães é reincidente: primeiro caso foi em 2019, no estacionamento

Pedro Guimarães ri com Jair Bolsonaro durante evento: do que será que eles estavam falando? - Antonio Cruz/Agência Brasil
Pedro Guimarães ri com Jair Bolsonaro durante evento: do que será que eles estavam falando? Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil
só para assinantes
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

29/06/2022 14h31

"Presidente de banco público foi pego aos amassos com funcionária".

Este foi o título da coluna de Vicente Nunes no Correio Braziliense, no dia 19 de junho de 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro.

Embora Nunes não cite na coluna o nome do banco e do presidente, todo mundo em Brasília ficou sabendo que se tratava de Pedro Guimarães, o festivo presidente da Caixa Econômica Federal, que costuma acompanhar o presidente Jair Bolsonaro em suas viagens pelo país e aparece sorridente a seu lado nos palanques ou na live das quintas-feiras, sempre com o jaleco e crachá da instituição.

Há exatos três anos, um vídeo da cena romântica dentro do carro no estacionamento do banco circulou entre os funcionários e foi aberto na época um processo administrativo, cujos resultados nunca ficamos sabendo.

O motorista que flagrou a investida de Guimarães foi sumariamente demitido, o que causou revolta entre os funcionários porque ele era muito querido no banco.

A corregedoria da Caixa abriu uma investigação para apurar se houve assédio moral contra o motorista, que também ficou mantido em sigilo.

Por isso, ninguém na sede do banco ficou surpreendido com as novas denúncias de assédio sexual agora apresentadas contra o garanhão da Caixa por várias funcionárias, em reportagem do portal Metrópoles, publicada nesta terça-feira.

"Conduta de Pedro Guimarães continua a causar vergonha na Caixa", informou o boletim do sindicato da categoria no final do ano passado, que descreve uma insólita festa de congraçamento promovida pelo presidente da instituição em Atibaia (SP), nos dias 14 e 15 de dezembro.

Durante as comemorações da festa chamada "Nação Caixa", Guimarães induziu gerentes e lideranças do banco a fazerem flexões abdominais e darem cambalhotas, comandados por um general, ritual do qual teve que participar até um vice-presidente, pessoa com deficiência física.

"O assédio moral sofrido pelos funcionários é sintomático de como Pedro Guimarães trata os trabalhadores e trabalhadoras da Caixa", disse na ocasião Fabiana Uehara, secretária cultural da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Esses são os valores das autodenominadas "pessoas de bem" deste governo, "conservador nos costumes e liberal na economia", que tanto defendem a família brasileira.

São repugnantes os relatos das funcionárias assediadas por Guimarães, na sede da empresa e durante as viagens a serviço, reproduzidas em matérias aqui no UOL, que demoraram tanto para vir a público.

E tudo começou no estacionamento...

Vida que segue.