PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Chico Alves


Chico Alves

O lamentável papel do vice-presidente Mourão diante da questão ambiental

Vice-presidente Hamilton Mourão - UESLEI MARCELINO
Vice-presidente Hamilton Mourão Imagem: UESLEI MARCELINO
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

14/09/2020 04h00


Quando o vice-presidente Hamilton Mourão assumiu, em fevereiro, a coordenação do Conselho da Amazônia, a interpretação era que, finalmente, o governo Bolsonaro daria uma guinada na política ambiental. Pressionado pela chiadeira dos investidores estrangeiros, que ameaçaram tirar dinheiro do país diante de tamanha devastação da natureza, previu-se uma ofensiva para acabar com queimadas, prender garimpeiros ilegais e preservar terras indígenas.

De quebra, a mudança parecia indicar a decadência do criticado ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que talvez estivesse a caminho da demissão.

Sete meses depois, como se sabe, a previsão mostrou-se completamente equivocada. Todos os gigantescos danos ao patrimônio natural não só continuaram, como foram aprofundados. À tragédia da Amazônia foi acrescentada a catastrófica sequência de queimadas no Pantanal, com histórias e imagens aterradoras.

No lugar de acelerar as providências urgentes, Mourão dedicou-se com todas as suas forças a negar a gravidade da situação.

A lista de declarações do vice-presidente sobre a destruição ecológica do país é assombrosa.

A última delas chega a ser patética: "Não é um incêndio padrão Califórnia o que está acontecendo na Amazônia", disse ele ontem, como se a comparação da gravidade de uma tragédia com outra pudesse trazer algum alento. Dias antes tinha dito que as queimadas no Pantanal são sazonais, fingindo ignorar que a atual sequência de incêndios é a maior em muitos anos e nada tem de rotineira.

Como uma espécie de rainha da Inglaterra da política ambiental brasileira, Mourão fala sobre o assunto mas parece que não apita nada.

O péssimo Ricardo Salles continua onde sempre esteve, ocupando-se de fazer agrados a garimpeiros, reduzir os contingentes de fiscais do Ibama e responder com bobagens às críticas de personalidades internacionais, como Leonardo Di Caprio.

Enquanto a floresta amazônica e o Pantanal queimam e centenas de animais perdem a vida encurralados pelo fogo, o vice-presidente aparece de vez em quando para dar declarações sobre o tema — ocasiões em que reforça seu negacionismo, sempre com o semblante sereno, como se estivesse tudo bem.

Destruição dessa magnitude deveria constar, ao lado da pandemia de coronavírus, como prioridade do governo federal nesse momento.

Infelizmente, somente os indígenas amazônicos e os isolados pantaneiros, além dos abnegados servidores dos órgãos ambientais, parecem ter o sentido de urgência que a ocasião deveria exigir de todos. Dois desses servidores, aliás, morreram tentando aplacar as chamas.

Se era para agir assim, como um sub-Ricardo Salles, Mourão nem deveria ter-se dado ao trabalho de se meter no assunto. Um Salles já daria conta de transformar a natureza em cinzas, como, infelizmente, está acontecendo nesse momento.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Chico Alves